Obama defende ação na Líbia e diz que papel dos EUA será limitado

Presidente afirmou que intervenção militar salvou um número 'incontável' de vidas.

Alessandra Corrêa, BBC

28 de março de 2011 | 21h24

Obama tem sido criticado nos EUA pela intervenção militar na Líbia

Em um pronunciamento transmitido pela TV americana, o presidente Barack Obama defendeu nesta segunda-feira a ação militar dos Estados Unidos na Líbia, em um momento em que crescem as críticas internas à operação.

Obama disse que a ação americana salvou um número "incontável" de vidas e que enquanto o coronel Muamar Khadafi não deixar o poder, a Líbia continuará a ser um lugar perigoso.

No entanto, o presidente americano disse que ampliar a missão para forçar a saída de Khadafi seria um erro, e reafirmou que a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) vai assumir o comando das operações a partir desta quarta-feira.

Obama vem enfrentando críticas pela ação americana na Líbia. Muitos nos Estados Unidos reclamam da falta de objetivos definidos e de um prazo para o fim das operações.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.