Obama defende diante de grupo pró-Israel sua prometida proposta à paz

Efe

22 de maio de 2011 | 12h53

Washington - O presidente americano, Barack Obama, defendeu neste domingo diante do principal grupo de pressão pró-israelense nos Estados Unidos sua proposta para que Israel reabra a negociação com os palestinos baseando-se nas fronteiras de 1967, que foi rejeitada pelo Governo de Benjamin Netanyahu.

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

Em seu primeiro discurso como presidente diante da conferência anual da Aipac (organização do lobby americano pró-Israel), Obama declarou que os laços que unem seu país a Israel são "sólidos", mas ressaltou que a situação atual do conflito é "insustentável" e que é necessário reabrir o processo de paz.

Segundo Obama, interessa a Israel alcançar em breve um acordo de paz, devido à rápida transformação que está ocorrendo em países árabes e ao crescimento demográfico nos territórios ocupados, e que podem tornar cada vez mais difícil a manutenção da paz.

"Temos que enfrentar vários fatos. O primeiro é que o número de palestinos que vivem no oeste do Rio Jordão está crescendo rapidamente, e fundamentalmente está reconfigurando a realidade demográfica tanto de Israel quanto dos territórios palestinos", disse.

"Isto torna cada vez mais difícil manter Israel como um Estado democrático e judeu sem um processo de paz", afirmou o chefe da Casa Branca.

Outra realidade a ser levada em conta é que "tecnologicamente, é cada vez mais difícil para Israel defender-se à revelia de um acordo de paz", disse o governante.

E o terceiro fator, segundo Obama, é a eclosão de uma "nova geração de árabes que está reconfigurando a região. Alcançar uma paz justa e duradoura já não pode depender de um ou dois líderes árabes".

"Não podemos nos dar ao luxo de perder outra década, ou duas décadas, ou três décadas, para alcançar a paz", destacou Obama.

"O mundo está se movimentando rápido demais, e os desafios que Israel enfrenta aumentarão. Um atraso só minará a segurança de Israel e as possibilidades de que seu povo tenha a paz que merece", acrescentou.

Obama disse aos membros da Aipac que o povo palestino tem o direito de viver em um Estado soberano.

No entanto, afirmou que os EUA se oporão a qualquer tentativa nas Nações Unidas e em outros fóruns internacionais de isolar Israel.

Tudo o que sabemos sobre:
ObamaIsraelEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.