Obama defende incentivos tributários para classe média

O presidente dos EUA, Barack Obama, defendeu hoje em discurso a renovação de incentivos tributários para a classe média norte-americana, numa tentativa de desviar o foco do debate eleitoral econômico da desanimadora situação do mercado de trabalho.

AE, Agência Estado

09 de julho de 2012 | 16h08

Obama há tempos propõe que os cortes de impostos para famílias com renda inferior a US$ 250 mil por ano sejam permanentes e que os incentivos fiscais concedidos a famílias mais abastadas sejam cancelados.

Hoje, no entanto, foi a primeira vez que Obama propôs que os incentivos para o grupo de menor renda sejam renovados por um ano, o que o ajudaria a criar mais certezas no curto prazo num clima de incertezas econômicas, segundo o Wall Street Journal.

Ao mesmo tempo em que Obama defende o fim da redução de impostos para os mais riscos, implementada no governo Bush, o presidente com frequência afirma que ele mesmo deveria pagar mais impostos. Obama repetiu nesta segunda a fala de que ele também não gosta de pagar impostos.

Obama também quer que a questão seja tratada o quanto antes no Congresso. "Devemos agir agora", disse.

Os republicanos da Câmara dos Representantes pretender votar este mês a renovação das reduções tributárias com o intuito de mostrar que estão dispostos a resolver logo o assunto, enquanto os democratas hesitam, de acordo com o WSJ. Obama, porém, disse que seu plano poderia ser implementado de imediato, já que a situação e a oposição podem chegar a um acordo sobre os incentivos à classe média.

Obama resumiu seu discurso de 13 minutos na última linha. "Espero que o Congresso junte-se a mim e faça a coisa certa." O presidente não espera que os congressistas ajam com base em suas palavras, mas tenta pintá-los como obstrucionistas, afirmou o WSJ.

Em novembro, Obama concorrerá a um segundo mandato presidencial. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAINCENTIVOS FISCAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.