Obama defende resolução que preveja punição a Assad

Para presidente americano, evidências de que regime sírio lançou ataque com armas químicas são esmagadoras

AE, Agência Estado

24 de setembro de 2013 | 12h00

NAÇÕES UNIDAS - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu nesta terça-feira, 24, uma resolução do Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) que inclua consequências contra o governo sírio caso o presidente Bashar Assad não atenda às exigências de desmantelar seus arsenais de armas químicas.

Segundo Obama, a Síria é o principal desafio da ONU no momento e as evidências de que o ataque com armas químicas de 21 de agosto, no qual mais de mil pessoas morreram em Ghouta, foi perpetrado pelo governo são "esmagadoras". Ele disse considerar, no entanto, que a Síria "deu o primeiro passo" ao fornecer os detalhes de seu arsenal químico.

Obama afirmou ainda que a comunidade internacional precisa reforçar a proibição do uso desse tipo de armamento no mundo e que "chegou a hora de Irã e Rússia perceberem que defender Assad pode resultar em algo temeroso."

O presidente americano aproveitou seu discurso na Assembleia-Geral da ONU para anunciar US$ 340 milhões adicionais em ajuda humanitária à Síria./ AP

Assista ao vídeo com trecho do discurso de Obama:

Mais conteúdo sobre:
SíriaONUBarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.