Obama defende tom enérgico nos debates com Hillary

O pré-candidatodemocrata à presidência dos EUA Barack Obama defendeu naquinta-feira o tom duro nos debates com sua rival HillaryClinton pela indicação partidária e se disse forçado a reagirdiante do desprezo da campanha da adversária pela verdade.Obama, senador em primeiro mandato, disse estar enfrentando"uma máquina política dura, bem azeitada, construída ao longode 20 anos" por Hillary e por seu marido, o ex-presidente BillClinton. Quanto a si, qualificou-se como "azarão." "Um princípio que eu acho que queremos estabelecerfirmemente é que, se as pessoas estão fazendo declaraçõesfalsas sobre meu histórico, vamos responder a elas", disseObama a jornalistas. Os dois principais pré-candidatos democratas vêm trocandoduras declarações, especialmente na segunda-feira, durantedebate em que houve ataques pesados e às vezes pessoais. A campanha de Obama fez um anúncio de rádio acusando asenadora Hillary de estar disposta a "dizer qualquer coisa parase eleger." Segundo ele, tratava-se de uma resposta a um anúncio delaque estaria distorcendo as idéias de Obama a respeito dosrepublicanos. O anúncio de Hillary usava uma declaração feita na semanapassada em Nevada, de que nos últimos anos o Republicano era "opartido das idéias", sugerindo que ele apoiava tais idéias.Obama disse que nunca afirmou gostar dessas idéias -- posiçãocompartilhada por vários analistas independentes. "Quando você faz um anúncio com afirmações que todos queviram dizem estar erradas, você sabe que estão erradas, e aindaassim você faz, então isso indica que você não está preocupadocom a precisão ou a verdade", disse ele. Obama disse esperar que Hillary e ele deixem suasdiferenças de lado após a definição da candidatura. "Estouconfiante de que o Partido Democrata inteiro vai se unir emtorno do indicado. Não sinto que os candidatos estejam seensanguentando. Para mim [esses debates] são uma boa prática." As pesquisas mostram Obama com uma margem confortável sobreHillary na Carolina do Sul, que realiza eleições primárias nosábado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.