Pablo Martinez Monsivais/AP
Pablo Martinez Monsivais/AP

Obama defende uso de drones e propõe maior controle

Presidente falou da transferência de presos de Guantánamo e pediu apoio do Congresso

O Estado de S. Paulo,

23 de maio de 2013 | 16h45

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira, 23, que deve haver mais controle no uso de drones - aviões não tripulados - e voltou a falar no fechamento da prisão de Guantánamo, em Cuba. Obama discursou sobre a estratégia americana de contraterrorismo na Universidade Nacional de Defesa.

Obama afirmou que o uso de aviões não tripulados é legal e "salvou vidas", apesar das questões levantadas sobre a precisão dos ataques. "Os terroristas que perseguimos matam civis. Estamos em guerra com organizações (Al-Qaeda e Taleban) que agora mesmo estariam matando o máximo de americanos que pudessem, se não as tivéssemos parado antes."

O presidente disse ter ficado chocado com a morte de americanos pelos aviões não tripulados e propôs haver maior controle e transparência. "Os EUA só vão utilizar os drones quando houver uma ameaça iminente e o terrorista não puder ser capturado". O presidente lembrou que "antes de qualquer disparo, devemos ter a maior certeza possível de que nenhum civil será morto ou ferido."

Guantánamo. Ao falar sobre o fechamento de Guantánamo, Obama foi interrompido por manifestações da plateia e também recebeu muitos aplausos. O presidente disse que tentou fechar a prisão após assumir o primeiro mandato, mas não recebeu o apoio do Congresso.

Em um esforço para levar a proposta adiante, o líder americano anunciou uma moratória para transferir presos para o Iêmen. "Não há justificativa política para o Congresso impedir a transferência de presos", disse Obama. / AP

Assista ao trecho do discurso de Obama em que ele defende o uso dos drones:

 

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaEUAGuantánamodrones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.