Obama descarta militarização da fronteira com México

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, descartou hoje a militarização da fronteira com o México por causa da onda de violência provocada pelo narcotráfico no país vizinho. Citado pelo jornal The Dallas Morning, Obama disse que acompanha de perto os acontecimentos e poderá reforçar a Guarda Nacional na fronteira. "Temos uma fronteira verdadeiramente grande com o México. Não estou interessado na militarização dela", disse o mandatário norte-americano.

AE-AP, Agencia Estado

12 de março de 2009 | 20h54

No entanto, Obama acrescentou que vai "examinar se reforços da Guarda Nacional teriam sentido e sob quais circunstâncias". Após os comentários do presidente, o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, disse que Obama considera que os assuntos relacionados à fronteira mexicana "não se resolverão a longo prazo com a militarização". Gibbs afirmou que foram feitas "petições específicas" para o envio de contingentes da Guarda Nacional à fronteira por causa da escalada da violência no México.

Antes, o adido de segurança da Embaixada dos EUA no México, Alonzo Peña, pediu aos congressistas e senadores norte-americanos que descartem "todas as dúvidas sobre a capacidade do governo mexicano de responder ao desafio" do narcotráfico. Peña tentou acabar com a troca de acusações entre funcionários mexicanos e norte-americanos.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMéxicoObamatráficodrogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.