Obama descarta ser companheiro de chapa de Hillary

Em comício, pré-candidato democrata chama de 'jogada tática' a sugestão da adversária

Caren Bohan, da Reuters,

10 de março de 2008 | 14h58

O pré-candidato democrata à Presidência dos EUA Barack Obama classificou nesta segunda-feira, 10, de "jogada tática" a sugestão de sua rival Hillary Clinton para que o senador por Illinois se torne companheiro da ex-primeira-dama na chapa democrática para as eleições presidenciais.  VEJA TAMBÉM Obama e Hillary se enfrentam no Mississippi, e então descansam McCain aproveita trégua republicana para ampliar doações Confira a disputa em cada Estado   Conheça a trajetória dos candidatos  Cobertura completa das eleições nos EUA   "Não estou disputando a vice-presidência. Estou disputando o cargo de presidente dos Estados Unidos da América", disse Obama durante comício no Mississippi. O Estado tem eleições primárias marcadas para esta terça-feira, 11. Hillary e o ex-presidente Bill Clinton, marido da senadora por Nova York, têm tocado no assunto da chapa conjunta nos últimos dias. A sugestão ocorreu um dia após a vitória de Hillary em três prévias consecutivas - Ohio, Texas e Rhode Island -, que a colocou novamente na disputa pela vaga democrata. Simpatizantes de Obama têm sugerido que essas movimentações não são nada além de manobras políticas de Hillary, que está atrás na disputa pela indicação democrata para enfrentar o republicano John McCain nas eleições de novembro. A proposta de uma candidatura conjunta foi feita após a nomeação do senador John McCain como candidato republicano oficial à Presidência dos EUA. Agora, os republicanos irão se unir e concentrar a campanha na disputa pela sucessão do presidente George W. Bush. "Talvez o processo aponte para esse sentido, porém devemos decidir quem encabeçará a chapa", disse Hillary. "Acredito que o povo de Ohio afirmou claramente que deveria ser eu". Após Wyoming, vencido por Obama, o acirrado duelo democrata vai agora para as prévias de Mississippi e depois para a próxima grande disputa, na Pensilvânia, em 22 de abril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.