Obama deve nomear Ashton Carter como secretário de Defesa

Obama deve nomear Ashton Carter como secretário de Defesa

Hagel deixou o cargo na semana passada; novo secretário assume no momento em que o país enfrenta desafios na área de Segurança

Cláudia Trevisan, correspondente / Washington, O Estado de S. Paulo

02 de dezembro de 2014 | 14h51


WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deve nomear o ex-representante do Pentágono Ashton Carter como secretário de Defesa. Carter tem sido considerado o principal candidato para substituir Chuck Hagel, que deixou o cargo na semana passada.

Vice do Pentágono até 2013 e com doutorado em física, Carter foi escolhido no momento em que os EUA enfrentam múltiplos desafios na área de segurança, entre os quais a emergência do Estado Islâmico (EI), a crise na Ucrânia e o fortalecimento do Taleban no Afeganistão.

Hagel deixou o cargo na semana passada, na primeira mudança promovida por Obama em seu time desde a derrota sofrida pelo governo e o Partido Democrata nas eleições de meio de mandato realizadas no dia 4 de novembro.

Carter ocupou o segundo e o terceiro cargos mais importantes do Pentágono de 2009 a 2013, quando ganhou experiência na administração de um orçamento que supera o PIB de muitos países. Os gastos militares dos EUA neste ano são estimados em US$ 615 bilhões. Carter também foi secretário-assistente de Defesa e política de segurança no governo de Bill Clinton.

Apesar da trajetória no Pentágono, ele nunca serviu no Exército, experiência que Hagel e seu antecessor, Leon Panetta, traziam no currículo. Mas Carter tem uma formação intelectual impressionante e familiaridade com questões tecnológicas. Se formou em física e história medieval na Universidade de Yale e fez um doutorado em física teórica na Universidade de Oxford. Segundo seu currículo, é autor ou co-autor de 11 livros e mais de 100 artigos sobre física, tecnologia, segurança nacional e administração.

A nomeação precisa ser aprovada pelo Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.