Obama divulga declaração de renda e cobra o mesmo de Hillary

O democrata Barack Obama divulgou naterça-feira sete anos de suas declarações de renda, aumentandoa pressão sobre sua rival Hillary Clinton para fazer o mesmo. As declarações de 2000 a 2006 foram divulgadas no site deObama. A campanha dele vem acusando a ex-primeira-dama de nãoagir com transparência perante o eleitorado, o que incluiria adivulgação do patrimônio e dos rendimentos dela e do marido, oex-presidente Bill Clinton, desde que o casal deixou a CasaBranca, em 2001. Assessores de Hillary dizem que ela vai divulgar asdeclarações pelo menos três dias antes das primárias daPensilvânia, em 22 de abril, e lembram que ela já divulgou maisde 20 anos de declarações de renda e centenas de milhares depáginas de documentos da Casa Branca. Além disso, Phil Singer, porta-voz dela, disse que Obamadeixou de divulgar seu comportamento no Legislativo do Estadodo Illinois e suas declarações de renda anteriores a 2000. "Nãofinjamos que o senador Obama é algum tipo de farol datransparência", disse Singer. A lei não obriga, mas candidatos a presidente nos EUAcostumam divulgar suas declarações de renda. Como senadores,Obama e Hillary são obrigados a declarar apenas uma parte deseu patrimônio. Os documentos apresentados por Obama mostram que a rendadele e da mulher, Michelle, teve um salto em 2005, quando elerelançou seu primeiro livro, "Sonhos do Meu Pai", o que lherendeu 1,2 milhão de dólares. Em 2006, o segundo livro dele, "AAudácia da Esperança", rendeu 500 mil dólares. A renda do casal explodiu com a venda de livros. Entre 2000e 2004, o valor variava de cerca de 207 mil a 275 mil por ano.Em 2005, o rendimento do casal subiu para 1,6 milhão dedólares, e em 2006 ficou perto de 1 milhão. A campanha de Obama diz que as declarações de Hillary setornam especialmente importantes depois que ela emprestou 5milhões de dólares do seu patrimônio pessoal para a campanha,em janeiro, e porque Bill Clinton recebe rendimentos de umaempresa de investimentos (presidida pelo doador Ron Burkle) queaplica em refúgios fiscais. "A senadora Clinton não pode se dizer examinada até quepermita ao público a oportunidade de ver suas finanças --particularmente a respeito de qualquer investimento em refúgiosfiscais", disse Robert Gibbs, porta-voz de Obama.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.