Obama diz a Santos que morte de ''Jojoy'' traz perspectiva de paz

Para líder americano, operação contra líder das Farc 'ajudará a trazer estabilidade' à Colômbia e à América Latina

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2010 | 00h00

Reunido ontem com seu colega colombiano, Juan Manuel Santos, o presidente dos EUA, Barack Obama, elogiou a ação que matou Jorge Briceño, conhecido como "Mono Jojoy", o líder militar das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Depois de encontro com Santos em Nova York, Obama disse que "ontem (quinta-feira) foi um grande dia para a Colômbia e para aqueles em busca da paz na região". A morte de "Jojoy" teria implicações regionais positivas, disse o presidente americano. Para Obama, que qualificou as Farc de "grupo terrorista", o sucesso das forças de segurança colombianas "ajudará a trazer estabilidade para a Colômbia e para toda América Latina".

"Isso criará uma perspectiva de paz e desenvolvimento sob a liderança do presidente Santos. Portanto, gostaria de parabenizá-lo", completou Obama.

A morte de "Jojoy" praticamente monopolizou o discurso de Santos na Assembleia-Geral da ONU e os comentários públicos feitos pelo colombiano após o encontro com Obama.

"Eu anunciei nessa cidade a notícia da ação contra o principal comandante militar das Farc, em uma operação impecável. Foi o mais importante golpe contra esse grupo terrorista na história e espero que nos aproxime da paz", disse o presidente colombiano no plenário das Nações Unidas. Santos não comentou o comunicado em que as Farc pediram a volta ao diálogo.

História de sucesso. Obama e Santos também discutiram como fazer avançar o Plano Colômbia, a aliança estratégica entre Washington e Bogotá no combate ao narcotráfico e a guerrilha.

Na avaliação do governo americano, a Colômbia, durante a administração de Álvaro Uribe, transformou-se em uma "história de sucesso" no combate ao narcotráfico e ao crime organizado. Santos disse na ONU que o Estado colombiano estava quase destruído uma década atrás, com grande parte do território controlado por guerrilhas e traficantes. Hoje a guerrilha está na defensiva.

Os dois presidentes também mostraram descontração ao falar de basquete universitário. Santos, fluente em inglês, estudou na Universidade de Kansas. A instituição é rival histórica nos torneios nacionais universitários de Harvard, onde Obama cursou direito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.