Obama diz que acompanhará apuração sobre massacre

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, voltou a falar, em seu programa semanal de rádio, sobre o ataque à base militar de Fort Hood, no Texas. Ele disse que acompanhará as investigações sobre o suspeito Major Nidal Malik Hasan, de 39 anos, que teria matado 13 pessoas a tiros e ferido dezenas na quinta-feira. O presidente norte-americano se encontrou ontem com o diretor do FBI (a polícia federal dos EUA) para discutir o incidente e já havia pedido que as pessoas não tirassem conclusões precipitadas enquanto autoridades investigam o ataque.

AE, Agencia Estado

07 Novembro 2009 | 11h43

Além de deplorar a violência contra o centro médico militar, Obama também enalteceu hoje a bravura dos soldados que rapidamente socorreram as vítimas. "O ataque de quinta-feira foi um dos mais devastadores já executados contra uma base militar norte-americana", afirmou Obama. "E apesar de termos visto o que há de pior na natureza humana, também tivemos o melhor da América."

O presidente norte-americano aproveitou para falar da diversidade do corpo militar do país. "Eles são cristãos, muçulmanos, judeus, hindus e ateus", enumerou. Hasan, que era muçulmano, deveria ser enviado ao Afeganistão em algumas semanas. Uma fonte do Pentágono disse que há indícios de que o soldado estava bastante descontente com a missão. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUA chacina base militar Barack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.