Jason Reed/Reuters
Jason Reed/Reuters

Obama diz que acordo sírio deve ser 'verificável e obrigatório'

Presidente dos EUA afirma esperar que negociações entre Kerry e Lavrov sejam bem-sucedidas

O Estado de S. Paulo,

13 Setembro 2013 | 17h48

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta sexta-feira, 13, esperar que as negociações sobre um plano para destruir as armas químicas da Síria sejam bem-sucedidas, mas afirmou que vai insistir para que qualquer acordo seja "verificável e obrigatório".

Obama fez os comentários após a reunião no Salão Oval da Casa Branca com o emir do Kuwait, xeique Sabah al-Ahmad al-Jaber al-Sabah.

"Eu compartilhei com o emir minha esperança de que as negociações que estão ocorrendo atualmente entre o secretário de Estado (John) Kerry e o chanceler (russo, Sergei) Lavrov, em Genebra, deem frutos", disse Obama. "Mas eu repeti o que eu já disse publicamente, que qualquer acordo precisa ser verificável e obrigatório."

Kerry e Lavrov negociam a proposta de Moscou para ajudar a colocar o arsenal de armas químicas da Síria sob controle internacional a fim de evitar eventuais ataques militares dos EUA. "Nossos dois países concordam que o uso de armas químicas que vimos na Síria foi um ato criminoso e que é absolutamente importante que a comunidade internacional responda, não só impedindo o uso repetido de armas químicas, mas tirando, com esperança, essas armas químicas da Síria", disse Obama após a reunião com o xeique.

Também fez parte da pauta da reunião os esforços dos EUA para reiniciar as negociações entre israelenses e palestinos, as tensões em curso no Egito e outras questões regionais.

O xeique Sabah também abordou a questão dos kuweitianos detidos pelos EUA no centro de detenção na Baía de Guantánamo, em Cuba, uma prisão que Obama quer fechar, mas que tem enfrentado resistências no Congresso.

"Também discutimos a contínua detenção de dois presos kuwaitianos em Guantánamo e pedi ao presidente Obama para acelerar o processo de libertá-los em linha com o compromisso do presidente de fechar Guantánamo e também de acordo com as garantias dadas pelas autoridades do Kuwait", disse o xeique.

Encontro. Na segunda-feira, os ministros das Relações Exteriores de França, Grã-Bretanha e EUA se reunirão em Paris para discutir a crise síria, disse o Ministério das Relações Exteriores da França nesta sexta-feira. "(A reunião) é para continuar as discussões atuais sobre a Síria", afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores francês Philippe Lalliot./ REUTERS

 
Mais conteúdo sobre:
SíriaEUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.