Obama diz que caso de Villar é sinal de 'repressão contínua'

O presidente americano, Barack Obama, reagiu ontem à morte do dissidente cubano Wilmar Villar, classificando-o como "um jovem e corajoso defensor dos direitos humanos". Em comunicado, Obama assinalou que a morte "sem sentido" de Villar "destaca a repressão contínua ao povo cubano e as dificuldades enfrentadas por indivíduos corajosos na defesa dos direitos universais de todos os cubanos". O Departamento de Estado também lamentou a morte de Villar. Segundo a porta-voz da diplomacia americana, Victoria Nuland, o episódio "reforça a necessidade de maior escrutínio internacional sobre o histórico dos direitos humanos em Cuba e o monitoramento das prisões do país". / D.C.M.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.