Obama diz que consultará Paquistão na luta antiterror

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que irá consultar líderes paquistaneses antes de atacar esconderijos de terroristas no país. Obama disse que o Paquistão, aliado dos Estados Unidos, precisa ser mais responsável. Ele descartou, no entanto, o envio de tropas para o país. "Nosso plano não muda o reconhecimento do Paquistão como governo soberano", disse Obama em entrevista ao programa Face the Nation, da rede de TV CBS.

AE-AP, Agencia Estado

29 de março de 2009 | 14h46

"O que queremos é dizer para o povo paquistanês: Vocês são nossos amigos, vocês são nossos aliados. Nós lhes daremos as ferramentas para derrotar a Al-Qaeda e acabar com esses esconderijos. Mas também esperamos que vocês assumam algumas responsabilidades. E esperamos que vocês entendam a gravidade e a natureza da ameaça", acrescentou.

Na entrevista, o presidente também lamentou a situação da segurança no Afeganistão. "A menos que assumamos o controle da situação agora, estaremos em apuros", disse. Obama deixou claro que sua nova estratégia para a guerra no país "não será um compromisso em aberto de recursos infinitos". Na sexta-feira, ele anunciou novos planos para o Paquistão e o Afeganistão, entre eles o envio de mais 4 mil soldados para a região.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamaPaquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.