Obama diz que Coreia do Norte é 'ameaça séria e contínua'

Presidente americano descarta ação militar, mas reafirma compromisso em defender Coreia do Sul

Agência Estado

24 de novembro de 2010 | 00h32

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou na terça-feira, 23, que a comunidade internacional deve reconhecer que a Coreia do Norte representa "uma ameaça séria e contínua da qual todos devem se ocupar".

 

Veja também:

video Vídeo: Veja imagens do ataque norte-coreano

blog  Radar Global: O armistício de Pan-Mun-Jon

documento Análise: Pyongyang tem 1 milhão de soldados; Seul tem os EUA

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países 

 

Em entrevista concedida ao canal americano ABC, Obama sinalizou também que não deverá haver uma eventual ação militar por parte dos EUA por causa do bombardeio norte-coreano a uma ilha sul-coreana ocorrido na terça. Entretanto, ele reiterou a importância da Coreia do Sul como aliada de Washington.

 

"A Coreia do sul é nossa aliada. Tem sido assim desde a Guerra da Coreia. E nós afirmamos nosso comprometimento para defender a Coreia do Norte como parte de nossa aliança", disse o presidente.

 

As autoridades americanas não deslocaram seus 29 mil soldados presentes no território sul-coreano para evitar respostas do norte e impulsionar a escalada da violência.

 

As forças da ONU em Seul, sob o comando militar americano, anunciaram nesta quarta-feira que encaminharam um pedido de diálogo a Pyongyang a fim de apaziguar as tensões na região.

 

"A ONU convocou para um diálogo os generais do Exército Popular da Coreia do Norte, através de sua missão em Panmunjon, para a troca de informações sobre o incidente, visando também acalmar a crise", disse o comando da ONU.

 

Leia mais:

linkEUA e Coreia do Sul farão manobras militares no domingo

linkPyongyang acusa Seul de levar região 'à beira da guerra'

 

A Coreia do Norte disparou nesta terça-feira dezenas de mísseis sobre uma ilha sul-coreana, matando pelo menos dois soldados, deixando vários civis feridos. O ataque forçou uma resposta de Seul e a elevação do estado de alerta na Coreia do Sul ao nível mais alto desde o final da guerra entre os dois países, na década de 50. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
TensãoCoreiasObamaPyongyangameaça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.