Obama diz que Kennedy era a alma dos democratas

Centenas de pessoas se alinharam nas calçadas próximas da Igreja da Missão, em Boston, onde uma missa de corpo presente foi realizada hoje para o senador Edward M. Kennedy. Algumas seguravam cartazes pedindo, em sua memória, urgência na aprovação de uma nova lei para assistência médica e de saúde. Durante a missa, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que Kennedy foi a "alma do Partido Democrata e o leão do Senado norte-americano".

AE-AP, Agencia Estado

29 de agosto de 2009 | 17h14

Bandeiras norte-americanas, velhos cartazes de campanha e fotografias de Kennedy cobriam a rua e os prédios próximos à igreja, cujo nome oficial é Basílica de Nossa Senhora do Socorro Perpétuo. A igreja está localizada em uma das regiões culturalmente mais diversificadas de Boston e fica próxima de mais de 20 hospitais. Kennedy costumava rezar no local quando sua filha Kara estava sendo tratada de um câncer.

A missa, que não foi aberta ao público, reuniu parentes e amigos de Kennedy, além de dúzias de atuais e ex-membros do Congresso. Kennedy morreu na terça-feira, aos 77 anos, depois de lutar contra um câncer cerebral por mais de um ano. Os convidados incluíram de dignatários estrangeiros ao jogador de basquete Bill Russel, do cantor Tony Bennett ao ator Jack Nicholson.

Obama e três dos quatro presidentes vivos dos EUA também compareceram, criando o que o Chefe da Polícia de Boston, Ed Davis, descreveu como a maior operação de segurança já vista em Boston. Na cerimônia, Obama afirmou que o trabalho de "Ted" não foi para beneficiar quem já tem poder, dinheiro ou contatos especiais, mas para dar voz àqueles que não são ouvidos.

Tudo o que sabemos sobre:
ObamaKennedymissa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.