Obama diz que não abre mão do poder de espionar

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deixou claro nesta sexta-feira que seu governo não tem nenhum plano de interromper a coleta diária de registros telefônicos de milhões de norte-americanos, mas prometeu desenvolver um sistema de supervisão das operações.

AE, Agência Estado

09 de agosto de 2013 | 19h05

Numa entrevista coletiva convocada com o objetivo de aplacar o descontentamento com as recentes revelações sobre dois amplos programas de espionagem cuja existência o governo chegou a negar, Obama disse que o governo pretendia divulgar em breve mais informações sobre como os dados são coletados nos EUA e no exterior, assim como as razões para essa coleta ser feita sem aviso prévio. O programa foi autorizado pelo Ato Patriótico dos EUA, aprovado de emergência pelo Congresso após os ataques terroristas contra os EUA em 11 de setembro.

"Considerando a história de abuso de governos, é certo se perguntar sobre vigilância", afirmou Obama. "Não é o suficiente para mim confiar nestes programas, os americanos precisam confiar também", acrescentou.

A Agência Nacional de Segurança disse que os registros de telefonemas são os únicos coletados pela Lei, mas autoridades deixaram abertas possibilidade de se criar base de dados similares de transações feitas com cartões de crédito, registros em hotéis e buscas na internet.

As mudanças endossadas por Obama incluem a criação de um painel externo consultivo para rever os poderes de investigação dos EUA; escritório fixo para a NSA, e a criação de uma procuradoria independente para argumentar contra o governo diante de um tribunal nacional de investigação. Todas essas novas políticas podem fazer a maior parte de seu trabalho em segredo.

As novas propostas devem espalhar um longo debate nacional sobre o equilíbrio entre o controverso programa de espionagem do governo e a privacidade dos americanos.

A administração de Obama afirma que o registro de telefonemas é feito apenas quando está investigando suspeitos de terrorismo. Mas testemunho diante do Congresso revelou como isso é facilmente feito com americanos que não possuem conexão com o terrorismo para que o padrão de telefonema possa ser analisado pelo governo.

Quando a NSA identifica um suspeito, ele pode conduzir a três "saltos". Isso significa que os analistas podem não apenas analisar os registros telefônicos de suspeitos, mas também os registros de qualquer pessoa para quem esse suspeito ligar, qualquer pessoa que ligar para ele e qualquer pessoa que ligar para essas pessoas que ligaram para o suspeito.

Pelo efeito multiplicador, se uma pessoa liga em média 40 vezes para uma única outra pessoa, o resultado da análise do governo pode chegar ao registro de 2,5 milhões de americanos quando se investiga apenas um suspeito. Considerando a escala dos dados do programa de registros de telefonemas, Obama disse que são compreensíveis as preocupações com o potencial de abuso.

Propostas

As duas maiores propostas de Obama vão precisar de aprovação no Congresso que se esforçou para aprovar uma lei menos controversa. Na demonstração mais potente de força, a Câmara rejeitou por estreita margem uma emenda que pedia o corte de fundos para o registro de telefonemas da NSA.

Obama surgiu na cena política nacional como um crítico dos programas de espionagem do governo, mas mudou sua posição em relação à esses assuntos várias vezes desde sua campanha para o Senado em 2004.

Em 2005, durante o debate no Senado sobre a retoma da Ato Patriótico, Obama foi um dos nove senadores que assinaram uma carta demonstrando preocupação com a possibilidade de os líderes abusarem do funcionamento do Ato. Ele focou em particular a seção 215, que ele e outros senadores disseram poderia permitir "expedições de caça a americanos inocentes."

Autoridades da Casa Branca disseram que o presidente chegou à conclusão divulgada nesta sexta-feira após uma série de discussões com parlamentares e outras autoridades. Mas o presidente enfrenta a resistência firme à sua posição entre os membros de seu próprio partido no Congresso.

Edward Snowden

Obama foi pressionado a falar sobre segurança doméstica após o ex-analista do governo Edward Snowden ter vazado documentos secretos expondo programas da NSA que guarda anos de conversas telefônicas entre norte-americanos. A revelação levou a reconsideração mais significava já feita sobre os poderes de vigilância que o Congresso garantiu ao presidente americano após os ataques do 11 de setembro.

Em relação à Snowden, Obama disse que sua decisão de revelar programas de segurança do governo não é patriotismo. "Não acredito que Snowden seja um patriota", afirmou. O presidente também disse estar estimulando o presidente Russo, Vladimir Putin, "a pensar para frente ao invés de para trás" em suas relações com os EUA.

O presidente americano afirmou que acredita que as relações entre as duas super potências estão difíceis e que progressos foram feitos até Putin ter reconquistado a presidência do país. Agora Obama diz que existe uma "série de diferencias emergenciais", que incluem Síria e direitos humanos.

A Casa Branca cancelou o planejado encontro entre Obama e Putin no próximo mês em Moscou, apois a Rússia ter se recusado a entregar Snowden aos EUA para enfrentar acusações de vazamento de segredos nacionais.

Al-Qaeda

Em relação ao terrorismo, o presidente dos EUA disse que o grupo principal da Al-Qaeda, foi dizimado, mas seus grupos regionais continuam poderosos o suficiente para atacar os interesses dos EUA.

Obama afirmou que o núcleo da Al-Qaeda está menos capaz de um ataque terrorista nas proporções dos ataques de 2001, mais grupos como o do Iêmen tem potencial para atacar as embaixadas e os negócios dos EUA em todo o mundo.

A ameaça de um ataque levou os EUA a fecharem 19 postos diplomáticos no Oriente Médio e no Norte da África na semana passada. A inteligência dos EUA interceptou uma mensagem entre importantes militantes da Al-Qaeda e seu braço no Iêmen sobre planos de um grande ataque terrorista cujo alvo era os EUA ou suas embaixadas no exterior. Fonte: Associated Press. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamaespionagemcoletiva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.