Obama diz que não se pode ignorar agressão da Rússia

O presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou em um discurso em Bruxelas que a invasão da Ucrânia pela Rússia representa um desafio à visão de que as fronteiras da Europa não podem ser redesenhadas a força e pediu mais punições e preparativos militares em resposta. Segundo Obama, novas sanções estão por vir, mesmo que não haja novas incursões dos russos.

AE, Agência Estado

26 de março de 2014 | 15h42

Uma ação é necessária porque os EUA e a Europa não podem ficar à toa enquanto a Rússia toma atitudes como essa, afirmou Obama. O presidente norte-americano lamentou que a Rússia tenha resistido a aberturas diplomáticas e disse que o Ocidente não está em busca de um conflito com Moscou e que a Guerra Fria não recomeçou. "Afinal, diferentemente da União Soviética, a Rússia não lidera um bloco de nações", disse.

Os EUA e a União Europeia concordaram em procurar meios de reduzir a dependência que a Europa tem de energia russa e prometeram concluir um acordo comercial que diminuirá o fluxo de exportações de gás natural para a Europa. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMARÚSSIAUCRÂNIASANÇÕES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.