REUTERS/Jonathan Ernst
REUTERS/Jonathan Ernst

Obama diz que pode haver outra guerra se Congresso barrar acordo com Irã

Discurso do presidente faz parte de uma intensa campanha de lobby a favor da aprovação do acordo pelos congressistas, que o avaliarão no próximo mês

O Estado de S. Paulo

05 de agosto de 2015 | 14h49

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quarta-feira, 5, que o acordo nuclear com o Irã se baseia em uma tradição americana de ser "forte, íntegro e diplomático" com adversários, incluindo a antiga União Soviética, e alertou que se o Congresso barrar o acordo, colocará os EUA no caminho para outra guerra no Oriente Médio. 

Refutando críticas lançadas contra o acordo, Obama disse que "se o Congresso votar contra, não só vai pavimentar o caminho para o Irã criar uma bomba nuclear, como vai acelerar" esse processo.

"A escolha que enfrentamos é, em última análise, entre a diplomacia e alguma forma de guerra", disse Obama em um discurso na American University, em Washington. "Talvez não amanhã, talvez não daqui a três meses, mas em breve", acrescentou. Ele falou na mesma universidade onde John F. Kennedy pediu diplomacia com a Guerra Fria e com o desarmamento nuclear.

O discurso do presidente faz parte de uma intensa campanha de lobby a favor da aprovação do acordo no Congresso, que o avaliará no próximo mês, quando voltar do recesso de verão (no norte). 

O acordo entre os EUA, o Irã e potências internacionais visa desmantelar o programa nuclear de Teerã em troca de bilhões de dólares em alívio de sanções econômicas. A Casa Branca disse que o acordo corta todos os caminhos do Irã para a fabricação de uma bomba nuclear e estipula inspeções detalhadas em Teerã.

Desafiando aqueles que dizem que os EUA deveriam ter estipulado sanções mais duras sobre Teerã e ter feito um acordo melhor, Obama disse que "são pessoas ignorantes sobre a sociedade iraniana ou eles simplesmente não estão sendo corretos com as pessoas americanas".

Procurando isolar seus críticos, Obama disse que o resto do mundo apoia o acordo feito com o Irã, com a notável exceção de Israel. Ele reafirmou o seu apoio em relação à segurança de Israel e disse não duvidar da sinceridade do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, um dos mais ferozes opositores do acordo. "Eu acredito que ele está errado", disse o presidente dos EUA. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
EUABarack Obamaacordo nuclearIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.