Obama diz que pode 'refinar' postura a respeito do Iraque

O candidato democrata àCasa Branca, Barack Obama, deixou em aberto na quinta-feira apossibilidade de rever o cronograma prevendo retirar as forçasnorte-americanas do Iraque nos primeiros 16 meses de seueventual governo. Obama disse que poderia "refinar" sua postura depois devisitar o país árabe. O candidato, um opositor de primeira hora à guerra que fezdessa postura uma peça central de sua campanha, afirmou que nãoconcordaria com uma presença norte-americana de longo prazo noIraque, mas ressaltou que qualquer retirada deveria ocorrer deforma ordenada e com segurança. "Eu sempre disse que ouviria os comandantes presentes lá.Sempre disse que o ritmo da retirada poderia ser ditado pelasegurança de nossas forças e pela necessidade de preservar aestabilidade", afirmou Obama a repórteres em Dakota do Norte. "Essa avaliação não mudou. E quando tiver a chance deencontrar-me com os comandantes presentes lá, tenho certeza deque terei mais informações e continuarei a refinar minhaspolíticas", disse. Depois de ser duramente criticado por seu adversáriorepublicano na disputa pela Presidência, John McCain, Obamaafirmou que viajaria até o Iraque e o Afeganistão ainda nesteano. Essa deverá ser sua segunda visita ao territórioiraquiano. McCain, senador pelo Estado do Arizona, é um proeminentedefensor da atual estratégia adotada pelos EUA no Iraque, e aquestão deve ocupar um espaço central na eleição presidencialde novembro. Segundo Obama, seu plano de retirar uma ou duas brigadas decombate por mês do Iraque após tomar posse sempre dependeu dascondições verificadas no território iraquiano. "Continuarei a reunir informações a fim de descobrir seessas condições permanecem as mesmas", disse. "Minha posturacontinua a ser a de que temos de garantir a segurança de nossasforças e a estabilidade do Iraque." Obama negou estar mudando de postura, mas os republicanoscriticaram-no pelos comentários. "Parece não haver nenhuma questão a respeito da qual BarackObama não esteja disposto a mudar de postura para fins de obtervantagens políticas," afirmou Alex Conant, porta-voz do ComitêNacional Republicano. Enquanto Obama dava suas declarações, duas assessoras delepara assuntos de política externa afirmavam em uma entrevistaque a atual estratégia norte-americana no Iraque fazia com quea situação afegã piorasse e que precisava ser mudada. As assessoras, Susan Rice e Sarah Seward, disseramacreditar que o cronograma de retirada em 16 meses continuava aser realizável. Segundo Rice, Obama permanecia comprometido com "umaretirada responsável e cuidadosa das forças norte-americanas doIraque." A assessora afirmou que essa retirada começaria "nosprimeiros dias do governo dele." "E os melhores conselhos que recebeu, conselhos demilitares, é de que a retirada de uma ou duas brigadas por mêsé um ritmo responsável", disse. Por motivos de segurança, Obama não divulgou a data exatade sua viagem ao Iraque. O senador pelo Estado de Illinoisintegrará uma delegação do Congresso norte-americano e nãolevará repórteres com ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.