Obama diz que vai levar um tempo para acabar com o racismo nos EUA

O presidente americano, Barack Obama, afirmou que é necessário tempo e vigilância para

Estadão Conteúdo

07 de dezembro de 2014 | 19h25

resolver problemas de segmentação na sociedade americana como o racismo e o preconceito. Ele pediu paciência e disse que o progresso acontece, em geral, em pequenos passos.

Ema uma entrevista no canal de televisão americano Black Entertainment Television (BET), Obama falou que durante um encontro com um grupo de jovens ativistas de direitos humanos na semana passada, ele disse que a questão "está profundamente enraizada na nossa sociedade, na nossa história". Um dos líderes dos protestos em Ferguson compareceu à reunião realizada na Casa Branca.

Os EUA fizeram avanços, disse Obama, que "nos dão esperança" de mais progresso. "Não podemos comparar o que está acontecendo agora com o que aconteceu há 50 anos", afirmou o presidente. Ele aconselhou os mais jovens a serem persistentes porque "os avanços acontecem passo a passo".

Tensões raciais foram agravadas pelas decisões de júris populares nos estados de Missouri e New York de não indiciarem policiais brancos envolvidos nas mortes de homens negros desarmados nas últimas semanas.

Ao lidar com algo "profundamente enraizado como o racismo ou preconceito em qualquer sociedade, você tem que ter a fiscalização, mas você tem que reconhecer que ele vai durar algum tempo e você só tem que ser persistente e não desistir", afirmou Obama. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUAObamaracismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.