Obama e McCain partem para ataques diretos em debate

Os candidatos à Casa Branca elevaram o tom no segundo debate presidencial, na noite desta terça-feira. Com freqüentes ataques mútuos, o embate entre o republicano John McCain e o democrata Barack Obama começou com questões ligadas à economia, mas chegou ao ápice quando o tema foi política externa. A regra do debate sobre o limite de réplicas chegou a ser quebrada quando o democrata fez questão de ter uma tréplica para reagir a um ataque do republicano sobre afirmações relacionadas ao Paquistão. O debate, realizado na Belmont University, em Nashville, Tennessee foi o único da série a ser realizado no formato de arena e teve as questões sugeridas por eleitores indecisos, pesquisados pelo Gallup, e a seleção final foi feita pelo moderador Tom Brokaw, da rede NBC.Durante a discussão do tema de abertura do debate, economia e crise financeira, o republicano acusou Obama de ser o "segundo maior recebedor de recursos da Fannie Mae e da Freddie Mac na história", e Obama reagiu dizendo que nunca promoveu a Fannie Mae. "Na verdade, o presidente da campanha do McCain foi um lobista em favor da Fannie Mae", devolveu. Sobre o estado da economia do país, o senador democrata por Illinois citou que os EUA vivem a pior crise desde a Grande Depressão. "Este é o veredicto final da política falida dos últimos oito anos (da administração) Bush, apoiada por McCain", disparou. Obama reiterou a avaliação de que é preciso evitar que o dinheiro do pacote de resgate, aprovado pelo Congresso e sancionado pelo presidente, caia nas mãos dos executivos de Wall Street e garantir que o contribuinte tenha seus recursos de volta.O republicano, reconhecendo que o "problema se tornou severo" propôs que o Tesouro compre os financiamentos problemáticos de hipotecas para evitar que os preços das moradias caiam mais. "Eu, como presidente dos EUA, iria determinar ao secretário do Tesouro a compra imediata dos financiamentos ruins de hipotecas e renegociá-los". Com o declínio dos preços das moradias, acrescentou McCain, as pessoas não estão conseguindo pagar as hipotecas. "Esta é minha proposta. Não é de Obama, não é do presidente Bush", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.