REUTERS/Kevin Lamarque
REUTERS/Kevin Lamarque

Obama e Netanyahu farão reunião bilateral durante Assembleia-Geral da ONU

Presidentes devem abordar questões como o conflito palestino-israelense, o pacto nuclear com o Irã e o acordo de ajuda militar assinado recentemente por Washington

O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2016 | 14h14

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Barack Obama, e o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, se reunirão na quarta-feira durante a Assembleia-Geral da ONU para falar sobre o conflito palestino-israelense, o pacto nuclear com o Irã e o acordo de assistência militar recém-assinado por Washington.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, informou em comunicado no domingo a respeito do próximo encontro bilateral entre os dois líderes. "A reunião também será uma oportunidade para discutir a necessidade de um verdadeiro avanço para se chegar a uma solução de dois Estados para o conflito entre israelenses e palestinos com base em tendências muito preocupantes no terreno", ressaltou em nota o porta-voz da Casa Branca.

Durante a reunião, segundo Earnest, os dois líderes também devem falar sobre o acordo nuclear entre G5+1 (EUA, Rússia, China, França e Reino Unido mais Alemanha) e Irã, impulsionado por Washington e ao qual Israel, e concretamente Netanyahu, se opuseram diretamente, acentuando as diferenças já existentes entre Obama e o líder israelense.

A convite da oposição republicana, Netanyahu chegou a fazer um polêmico discurso no Congresso dos EUA, no qual criticou diretamente o governo de Obama pelas negociações com o Irã. No entanto, em um encontro ocorrido em novembro de 2015 na Casa Branca, os dois líderes pareceram deixar para trás as diferenças sobre o acordo nuclear e se comprometeram a colaborar em interesses comuns, como a segurança de Israel.

A Casa Branca considerou que o encontro será uma "oportunidade para falar dos fortes laços entre EUA e Israel", recentemente reforçados pela assinatura de um novo acordo de assistência militar por parte de Washington no valor de US$ 38 bilhões em 10 anos.

Nesta semana, no Departamento de Estado, aconteceu a assinatura oficial do Memorando de Entendimento entre Israel e EUA que entrará em vigor entre 2019 e 2028. O acordo, que obriga que as compras israelenses de equipamento militar sejam produtos americanos, supera o de US$ 30 bilhões que esteve vigente na década passada. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.