AFP
AFP

Obama e Putin reafirmam necessidade de transição política na Síria

Apesar de discordarem sobre como alcançar a transição, presidentes acham que situação pode piorar

estadão.com.br,

18 de julho de 2012 | 18h20

WASHINGTON - Os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e da Rússia, Vladimir Putin, conversaram hoje sobre a necessidade de apoiar uma transição política na Síria "o mais cedo possível" e voltaram a registrar suas diferenças sobre como encerrar a violência no país. De acordo com um comunicado da Casa Branca, Obama telefonou para Putin após o atentado contra o prédio da Seguranã Nacional, que deixou três pessoas do alto escalão de Bashar Assad mortas em Damasco.

Veja também:

link Oposição denuncia mais de 60 mortes em ações do regime sírio após atentado

link Conselho de Segurança da ONU adia votação sobre Síria, diz Rússia

Os presidentes "estão de acordo sobre a necessidade de apoiar uma transição política o quanto antes para alcançar o objetivo comum de acabar com a violência e evitar uma piora da situação" na Síria, explicou a Casa Branca. Obama e Putin expuseram "as diferenças" de seus governos, "mas concordaram que suas equipes continuem trabalhando até que haja uma solução", acrescentou o comunicado.

Momentos antes, o porta-voz de Putin, Dmitri Peskov, informou que o presidente russo e Obama "debateram sobre a situação na Síria e constataram a tendência de um agravamento" do conflito. "A troca de opiniões mostrou coincidências na avaliação geral da situação na Síria e o objetivo comum de se alcançar a paz. Além disso, persistem as diferenças sobre os meios práticos para se alcançar essa solução", afirmou Peskov, segundo agências russas.

Os dois líderes "concordaram em manter um estreito diálogo sobre a questão", acrescentou Peskov. Até o momento, a China e a Rússia votaram contra a aplicação de resoluções que impliquem em sanções à Síria, apresentadas pelo Conselho de Segurança da ONU, enquanto os Estados Unidos defendem a renúncia de Assad como condição para uma transição pacífica e repudia uma intervenção militar.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, afirmou, nesta quarta-feira, 18, que a violência "não é a reposta" para resolver o conflito na Síria e alertou que a janela para uma solução pacífica "está se fechando". "Estamos trabalhando com nossos companheiros na ONU para chegar a um consenso absolutamente necessário".

Carney pediu para a comunidade internacional "se unir em torno de um plano que produza uma transição política, que é essencial para o futuro da Síria". Hoje, rebeldes sírios promoveram o maior golpe contra o regime de Assad, desde março de 2011, com o assassinato do ministro e do vice-ministro da Defesa, Dawoud Rajiha e Assef Shawkat, respectivamente. Shawkat era uma das figuras mais temidas do círculo próximo ao presidente sírio. Além disso, foi morto também o assistente do presidente, general Hassan Turkmani. Outros integrantes do alto escalão do regime sírio ficaram feridos.

Com Efe 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.