Obama e rei da Arábia Saudita pedem pressão a favor da paz no Oriente Médio

Monarca saudita e presidente norte-americano têm esperança de Israel e Palestina possam retomar as conversas diretas

Efe,

30 de junho de 2010 | 03h05

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o rei Abdullah da Arábia Saudita mostraram na terça-feira, 29, que estão de acordo na necessidade de continuar a pressão "de modo audaz e significativo" a favor da paz no Oriente Médio, que inclua a criação de um Estado palestino.

Os líderes almoçaram juntos e mantiveram uma reunião bilateral, a terceira desde a chegada de Obama à Casa Branca. Em declarações à imprensa após a conversa, Obama indica: "Abordamos o processo de paz no Oriente Médio e a importância de progredir de maneira significativa e audaz para garantir aos palestinos um Estado que conviva com Israel de maneira pacífica, próspera e segura".

Por sua parte, Abdullah reiterou seu apoio à iniciativa de paz para o Oriente Médio.

O monarca saudita concluiu suas declarações com uma oração na qual pedia a Deus que protegesse os dois líderes e lhes abençoasse com sua bondade. "Esse é uma boa reza", diz Obama.

Em comunicado após a reunião, a Casa Branca indicou que no encontro os dois líderes expressaram sua esperança de que as "conversas de proximidade entre israelenses e palestinos possam levar à retomada das conversas diretas com o objetivo dos dois Estados".

Obama e Abdullah também reiteraram seu apoio aos esforços da comunidade internacional contra o programa nuclear iraniano e expressaram seu interesse em colaborar contra o extremismo violento.

O encontro entre os líderes acontece uma semana antes que Obama receba na Casa Branca o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em um encontro que ficou adiado no último dia 1º devido ao ataque de Israel contra uma frota que levava ajuda humanitária a Gaza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.