Obama e Romney criticam anúncios de TV agressivos

Os dois candidatos à presidência dos Estados Unidos, Mitt Romney e o presidente Barack Obama, lamentaram os generalizados ataques veiculados em anúncios de televisão, mas não reconheceram que estão sendo beneficiados tanto quanto estão sendo atingidos. Cada um culpou o adversário.

AE, Agência Estado

10 de agosto de 2012 | 16h18

Romney foi o primeiro, dizendo sobre a campanha de Obama, que "eles simplesmente vão em frente" com propagandas que foram julgadas falsas por checadores independentes.

"Eu não sei o que aconteceu com a campanha de ''esperança e mudança''", disse ele, referindo-se ao otimismo que Obama evocou durante sua tentativa bem-sucedida de chegar à Casa Branca em 2008.

Obama ignorou a crítica. Ele disse para um público no Colorado que "nos próximos três meses vocês vão ver mais anúncios negativos", e sugeriu que culpa é dos grupos independentes que apoiam seu rival - os chamados Comitês de Ação Política (PACs, na sigla em inglês). "Quero dizer, esses super PACs, esses caras estão assinando cheques de US$ 10 milhões e entregando-os para os simpatizantes de Romney", afirmou o presidente.

Enquanto Obama fazia tal declaração, sua campanha levou ao ar um outro ataque na televisão, perguntando se Romney paga seus impostos. "Nós não sabemos", diz o locutor, e rapidamente acrescenta que uma vez Romney "aprovou pessoalmente mais de US$ 70 milhões em isenções fictícias no imposto de renda... Um dos maiores esquemas de sonegação de impostos da história".

Romney abordou o tema dois dias após a divulgação de um anúncio em que um ex-metalúrgico sugere que o republicano e sua empresa Bain Capital têm certa responsabilidade pela morte de sua esposa com câncer. A publicidade é trabalho do Priorities USA Action, um PAC que apoia Obama, e foi julgada incorreta por observadores independentes e atacada ferozmente por ajudantes de Romney.

A troca de acusações acontece enquanto Romney prepara um viagem de ônibus por quatro Estados em quatro dias, terminando na próxima terça-feira em Ohio. O itinerário renovou especulações de que a tour pode culminar no anúncio de que o senador por Ohio Rob Portman será escolhido como o vice-presidente na campanha republicana.

Obama fez campanha pelo Colorado, parando em tantas localidades do Estado que parecia candidato a um cargo local. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAeleiçãoObamaRomney

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.