Kevin Lamarque/Reuters
Kevin Lamarque/Reuters

Obama e Romney saem de cena para se prepararem para debate

Enquanto ambos se trancam com assessores, aliados democratas e republicanos vão à TV defender seus candidatos

Samuel P. Jacobs, Reuters,

30 de setembro de 2012 | 23h03

WASHINGTON - A três dias do primeiro debate presidencial americano, Barack Obama e Mitt Romney desaceleraram ontem o ritmo de campanha para se prepararem para o encontro, enquanto figurões dos dois partidos, Democrata e Republicano, apareceram na TV para defender seus aliados.

O governador republicano de New Jersey, Chris Christie, previu que o desempenho de Romney no debate de quarta-feira alterará o curso da campanha semanas antes da eleição, marcada para 6 de novembro. "A corrida sofrerá uma reviravolta na quinta-feira pela manhã", disse Christie no programa Face the Nation da CBS.

Os comentários de Christie, no entanto, divergiram do script de ambas as campanhas, que tentaram diminuir as expectativas sobre o desempenho dos candidatos, tornando mais fácil assim proclamar vitória ou explicar uma derrota na quarta-feira.

Romney chega ao primeiro debate mal nas pesquisas em Estados importantes e tentando se recuperar da divulgação de um vídeo no qual descreveu quase a metade dos americanos como dependentes do governo. "Tivemos alguns tropeços, mas, no fim das contas, a escolha está realmente clara", disse o vice de Romney, Paul Ryan, no programa Fox News Sunday.

Obama foi para o Estado de Nevada, onde se trancou com seus assessores em uma simulação de debate. O presidente, porém, não estaria focado apenas em marcar pontos contra seu rival, segundo declarou David Plouffe, um de seus principais assessores, ao programa Meet the Press, da rede NBC. "Acho que o objetivo do presidente é não se preocupar com comentários mordazes e provocações, para que ele tenha tempo de explicar aos americanos as razões para sua reeleição", disse. Além de Plouffe, estão com Obama em Nevada seu chefe de gabinete, Jack Lew, o consultor econômico Gene Sperling e o redator de discursos Jon Favreau.

TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.