Obama e Romney suspendem campanha

Presidente volta para a Casa Branca e dá prioridade à resposta ao furacão Sandy; candidato republicano pede doações para as vítimas

DENISE CHRISPIM MARIN , CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2012 | 02h05

O aumento de intensidade do furacão Sandy ao alcançar a costa nordeste americana forçou o presidente dos EUA, Barack Obama, a cancelar seus comícios de ontem e hoje em Estados-chave para sua reeleição. Mitt Romney, seu desafiante republicano, suspendeu igualmente as atividades de campanha sob o argumento de "ser esta a hora de os líderes do país se focarem, juntos, nos americanos ameaçados".

A decisão de ambos não desconsidera a avaliação da população, a oito dias da eleição, sobre a capacidade de liderança de cada um. "Não estou preocupado neste momento com o impacto (da suspensão da campanha) na eleição. Estou preocupado com o impacto nas famílias, nas nossas primeiras respostas, na economia, no nosso transporte", afirmou Obama a jornalistas.

"A eleição vai cuidar de si mesma na próxima semana. Agora, nossa prioridade é assegurar que estamos salvando vidas, que as equipes de resgate estarão prontas, que as pessoas terão comida, água e abrigo de que precisam em caso de emergência e nós responderemos o mais rápido possível para pôr a economia de volta nos trilhos", completou.

Obama chegou a embarcar na noite de domingo para Orlando, na Flórida, onde tinha um comício marcado para ontem. O evento foi cancelado, assim como seu discurso de hoje em Green Bay, Wisconsin. O custo eleitoral de manter-se ausente da Casa Branca neste momento crítico seria considerável.

Romney cancelou seus compromissos de ontem e hoje em Wisconsin e na Flórida, e colocou os ônibus da sua campanha em uso para a entrega de suprimentos nas regiões ameaçadas. Na página da campanha republicana na internet foi aberto um link para doações à Cruz Vermelha. "Sandy é mais um furacão devastador e muitas pessoas enfrentarão situações difíceis como resultado de sua fúria", afirmou o republicano, em comício na manhã de ontem em Avon Lake, em Ohio.

O cálculo de ganhos e perdas eleitorais em razão do furação é ainda incerto. Sandy deverá afetar uma população de 60 milhões e não apenas durante sua passagem, mas por dias ou semanas. Parte dessas pessoas pode ter dificuldade de alcançar as urnas nos Estados onde há votação antecipada e até no dia 6.

Isso se dará em uma região do país de maioria democrata, mas onde os republicanos são fortes em localidades específicas, como o interior da Pensilvânia. Tampouco há clara ideia do quanto a imagem de liderança de Obama e a cooperação de Romney afetarão os eleitores. "Em termos de estratégia, vamos perder algum espaço. Mas o presidente tem responsabilidade real, que vem em primeiro lugar. Romney que faça o que quiser", afirmouo estrategista da campanha democrata, David Axelrod.

"Não demore, não espere, não questione as instruções porque esta é uma tempestade séria, que pode ter consequências letais se as pessoas não agirem rapidamente", disse ontem Obama, demonstrando abatimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.