Obama e Romney travam batalha pelo Colorado

Campanhas democrata e republicana se lançam no último esforço para convencer os eleitores do Estado mais indefinido dos EUA

DENISE CHRISPIM MARIN, ENVIADA ESPECIAL / DENVER, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2012 | 03h05

Caminho para os aventureiros na busca do ouro no século 19 e destino mais recente dos apaixonados pelo esqui e por esportes radicais, o Colorado será um dos Estados decisivos nas eleições presidenciais americanas. A nove dias da votação, o presidente Barack Obama, candidato à reeleição, e o seu rival republicano Mitt Romney disputam ali um universo de 4% indecisos.

Em 2008, Obama conseguiu a primeira vitória dos democratas no Colorado desde Bill Clinton, em 1992. Na ocasião, ele derrotou o republicano John McCain por 9 pontos porcentuais. Até sexta-feira, Obama e Romney estavam empatados no Estado, conforme a média das pesquisas eleitorais calculada pelo Real Clear Politics. Ambos tinham 47,8% das intenções de voto. A indefinição mobilizou as duas campanhas em um último esforço para atrair os indecisos e motivar os eleitores a votar com muitas propagandas na TV, no rádio e com o trabalho de voluntários.

Marni Gauthier, de 45 anos, é um alvo potencial: não se sente confortável para votar em Obama, como fez em 2008, ou em Romney. Professora de literatura e de cinema de uma universidade de Nova York, ela pediu demissão em 2006 para se mudar com as duas filhas para Boulder, a 48 quilômetros de Denver, onde estabeleceu-se como preparadora de executivos de grandes empresas de tecnologia usando a ioga.

Marni é conservadora do ponto de vista fiscal e crítica do governo de Obama na área econômica. Não aprova, porém, o aumento de US$ 2 trilhões no orçamento militar proposto por Romney e não concorda com as posições republicanas sobre política externa. O presidente a frustrou por não ter cumprido as promessas de fechar a prisão de Guantánamo e de trabalhar em harmonia com o Congresso. "Eu tenho de votar, mas nunca estive tão desencorajada."

Vencer no Colorado significa levar nove delegados para o Colégio Eleitoral, onde se define a eleição. O candidato que obtiver 270 delegados ganha a eleição. Na sexta-feira, a estimativa da maioria dos sites que analisam pesquisas era que Obama mantinha uma pequena vantagem sobre Romney em número de delegados.

Segundo o professor Seth Masket, diretor do Departamento de Ciência Política da Universidade de Denver, o Colorado tornou-se um Estado indefinido nas eleições em razão da imigração - de outras partes dos EUA e também do México. Apesar de ter votado em candidatos presidenciais republicanos em oito das últimas nove eleições, há uma tendência de crescimento do Partido Democrata, especialmente em Denver e Boulder, onde Obama derrotou McCain com mais de 73% dos votos.

Cerca de 70% da população do Estado é de brancos e 20% tem origem hispânica. Os negros são menos de 5% e os indígenas somam apenas 1,6%. Os presidentes de ambos os partidos, o democrata Rick Palacio e o republicano Ryan Call, concordam com o fato de os eleitores locais serem conservadores de diferentes matizes.

Federalistas ao extremo, eles repudiam qualquer forma de interferência do governo federal no Estado e na vida das pessoas, seja na forma de subsídios agrícolas ou de assistência social. "Eu mesmo me considero um conservador moderado", confessou o democrata Palacio a um grupo de jornalistas estrangeiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.