Obama escreveu carta a líder norte-coreano, diz governo

Ato faz parte dos esforços dos EUA para tentar levar a Coreia do Norte de volta à mesa de negociações

Associated Press,

16 de dezembro de 2009 | 12h13

Os recentes esforços de Washington para persuadir a Coreia do norte a retornar à mesa de negociações com o Ocidente sobre o desarmamento nuclear incluiu uma carta pessoal ao líder Kim Jong il escrita pelo presidente Barack Obama, revelou nesta quarta-feira, 16, um funcionário do governo americano.

 

Segundo a fonte, o enviado americano à Coreia do Norte, Stephen Bosworth, levou a carta a Pyongyang na semana passada e entregou às autoridades do país. Bosworth participou da primeira negociação bilateral com os norte-coreanos desde que Obama assumiu a presidência.

 

O funcionário, que falou sob condição de anonimato, não deu detalhes sobre a carta, mas disse que ela se adequava ao que Bosworth disse quando esteve na Coreia. "Os norte-coreanos têm uma escolha: continuar com o isolamento ou se beneficiar com as conversas multilaterais sobre o desarmamento", disse a fonte, acrescentando que não sabia se Jong Il havia respondido o documento.

 

Bosworth não se encontrou com o líder norte-coreano em sua viagem, mas após deixar Pyongyang, ele disse que passou a mensagem de Obama de que os EUA estão prontos para trabalhar com seus aliados para oferecer à Coreia do Norte "um futuro diferente" se o governo escolher retomar as negociações de desarmamento e dar passos irreversíveis para acabar com seu programa nuclear.

 

Tanto Washington quanto Pyongyang concordaram na necessidade da retomada das negociações, mas a Coreia do Norte não se comprometeu com uma data para voltar a mesa.

 

Saúde do líder

 

Kim Jong Il está sofrendo de laringite crônica, provavelmente causada pelo do fumo e do uso excessivo de álcool, e não pode trabalhar sem descansar todo o dia seguinte, afirma uma rádio norte-coreana.

 

A doença do líder piorou no último mês, embora Jong il, de 67 anos, tenha se recuperado de forma satisfatória de uma problema nos rins que teve no ano passado, segundo uma rádio sul-coreana especializada no país vizinho. A rádio citou uma "fonte de alto nível" não identificada da Coreia do Norte.

 

A saúde de líder tem sido tratada exaustivamente pela mídia, já que Jong Il tem poderes plenos e sua morte poderia causar confusão a respeito de seu sucessor. Acredita-se que seu filho mais novo seja o mais cotado para assumir o poder na Coreia do Norte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.