Obama está confiante em aumento no teto da dívida

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o presidente da Câmara dos Representantes, John Boehner, não chegaram a um acordo sobre a redução no déficit orçamentário do país, mas, em comentários posteriores às negociações sobre essa questão, disseram estar convencidos de que o teto da dívida norte-americana, atualmente em US$ 14,29 trilhões, será elevado.

AE, Agência Estado

23 de julho de 2011 | 08h01

"A única coisa que eu estou decidido é a elevar o teto de endividamento até a próxima eleição, em 2013", disse Obama durante um pronunciamento, ontem. "Estou confiante simplesmente porque não posso acreditar que o Congresso será tão irresponsável a ponto de não aprovar um pacote que evite uma ferida autoinfligida à economia num momento em que as coisas estão tão difíceis." O presidente norte-americano também afirmou que está disposto a assumir a responsabilidade pelo aumento no limite da dívida.

Boehner também afirmou, depois do pronunciamento de Obama, que está "convencido" de que o teto de endividamento será elevado, embora as negociações com a Casa Branca não tenham dado certo. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.