Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Obama está perto de romper impasse

Se o senador conseguir aproveitar as vitórias nas prévias de sábado, pode selar o destino da candidatura de Hillary

Washington, O Estadao de S.Paulo

11 de fevereiro de 2008 | 00h00

As três vitórias esmagadoras do senador Barack Obama sobre a senadora Hillary Clinton nas prévias de sábado, em Louisiana, Nebraska e no Estado de Washington, indicam o surgimento da primeira grande chance de romper o impasse da corrida presidencial democrata.Na terça-feira, acontecem as primárias dos Estados de Maryland, Virgínia e de Washington (capital). As três prévias distribuem 237 delegados e Obama lidera com folga as pesquisas nos três lugares.Na terça-feira seguinte, dia 19, será a vez de Havaí e Wisconsin realizarem suas prévias e elegerem outros 121 delegados. Obama deve levar fácil o Havaí, sua terra natal, e a briga em Wisconsin está equilibrada, com ligeira vantagem para Hillary, embora a campanha de Obama ainda não tenha mergulhado de cabeça no Estado.Com isso, muitos analistas apontam para a possibilidade de Hillary ficar um mês sem comemorar nenhuma vitória - a situação piorou mais com a derrota de ontem no Maine, onde o eleitorado formado por mulheres e pessoas acima dos 60 anos dava o favoritismo a ela.Portanto, até as primárias de Ohio, Texas, Rhode Island e Vermont, no dia 4 de março, provavelmente Hillary terá de assistir a seu maior rival posar triunfante para as câmeras de TV. Se Obama souber capitalizar essas vitórias, ele pode acabar pulverizando a vantagem que ela tem em Ohio, Texas e Pensilvânia, e selar o destino da campanha de Hillary.NOITE DE GALAAs vitórias fáceis de Obama em Nebraska (68% a 32%) e Washington (68% a 31%), na noite de sábado, premiaram os estrategistas da campanha do senador, que investiram tempo e dinheiro na organização de suas bases em Estados com primárias marcadas para após a Superterça - a maioria dessas prévias foi negligenciada por Hillary, que somente há poucos dias percebeu que a disputa não terminaria tão cedo.O senador também obteve uma vitória arrasadora em Louisiana (57% a 36%), com o apoio de cerca de 90% do voto negro. De quebra, apesar de ninguém ter dado muita importância, ele também venceu Hillary nas prévias realizadas nas Ilhas Virgens, ganhando todos os três delegados do território. Ao todo, de acordo com estimativas, a noite de gala do senador rendeu-lhe cerca de 40 delegados a mais do que Hillary, o que praticamente aniquilou a vantagem que a ex-primeira-dama tinha em número de delegados. De acordo com a Associated Press, Hillary teria agora 1.121 delegados, dos quais 910 teriam sido eleitos nas prévias e 211 superdelegados - figurões da direção do partido, congressistas e governadores que têm direito a voto na convenção nacional no mês de agosto.Obama teria apenas 3 delegados a menos: 1.118. No entanto, o senador já tem 981 delegados eleitos nas primárias e apenas 137 superdelegados, o que mostra que, no voto, ele já conquistou uma vantagem de 71 delegados sobre Hillary."Vencemos na Costa Oeste, na Costa do Golfo do México e no coração dos EUA", disse Obama em um discurso eletrizante em Richmond, no Estado de Virgínia, logo após a confirmação dos resultados em Washington, Louisiana e Nebraska.Apesar da maré favorável de Obama, as votações de sábado mostraram que o Partido Democrata está cada vez mais dividido. Hillary tem vantagem entre os eleitores com mais de 60 anos, entre os hispânicos, as mulheres, e os americanos com baixo poder aquisitivo. Obama leva a melhor entre os jovens, homens, negros e eleitores de maior educação. A habilidade de cada um deles para mobilizar esses grupos será determinante nas próximas primárias.REVIRAVOLTAA campanha de Hillary anunciou ontem que arrecadou US$ 10 milhões de cerca de 100 mil doadores. A notícia foi encarada pelos analistas como um esforço dos estrategistas da senadora para criar uma seqüência de boas notícias que favoreçam a ex-primeira-dama e interrompam uma ascensão meteórica de Obama. NYT, REUTERS, AFP E AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.