Obama evitará política em discurso para escolares

Casa Branca diz que líder citará sua história como exemplo

Gustavo Chacra, NOVA YORK, O Estadao de S.Paulo

08 de setembro de 2009 | 00h00

Depois de duras críticas de conservadores e republicanos americanos, a Casa Branca antecipou a divulgação do teor do discurso que o presidente Barack Obama fará a estudantes hoje de manhã, no início do ano letivo nos EUA. A iniciativa busca mostrar a pais e professores que a ênfase será "a responsabilidade pessoal dos alunos" e provar que não haverá nenhuma conotação política no pronunciamento.

Grupos conservadores haviam atacado o discurso de antemão por não achar certo que alunos percam tempo de aula para ouvir o presidente.

Opositores também se incomodaram com a proposta feita pela Casa Branca de os estudantes escreverem cartas sobre como ajudar o presidente. Eles afirmaram que a ideia era uma intervenção na liberdade dos alunos. Andrea Tantaros, colunista conservador da rede Fox News, disse que esse tipo de redação era comum em lugares como "Coreia do Norte e URSS". Ao final, a equipe Obama cancelou a proposta.

O discurso de 18 minutos será feito em uma escola de Arlington, no Estado da Virginia, e terá transmissão em rede nacional. Obama, como já se tornou tradição desde sua campanha eleitoral, abordará sua história pessoal para incentivar os alunos a estudar.

"Meu pai abandonou minha família quando eu tinha 2 anos e fui educado por uma mãe solteira que lutou para pagar as contas e, algumas vezes, não pôde nos proporcionar o que outras crianças tinham. Algumas horas, sentia falta de não ter um pai. Outras vezes, me sentia só e pouco integrado", diz o texto divulgado pela Casa Branca.

Exemplo de americanos comuns - outra constante nos discursos de Obama - também serão utilizados. O presidente citará o caso de uma menina que não sabia falar inglês, mas conseguiu aprender e, com esforço, conseguiu se formar na prestigiosa Universidade Brown e hoje faz pós-graduação em saúde pública. O texto também menciona um jovem que superou um câncer no cérebro quando tinha 2 anos e hoje estuda em uma universidade.

Celebridades como o jogador de basquete Michael Jordan, "que foi cortado de seu time no colégio", e a escritora JK Rowling?s, autora de Harry Potter, "que teve seu livro rejeitado 12 vezes antes de conseguir publicá-lo", serão usadas como casos de superação.

Nem o Twitter, Google e Facebook ficaram de fora do discurso de Obama hoje. "Os fundadores (desses sites) estavam sentados onde vocês estão há 20 anos e mudaram a forma como nos comunicamos."

Obama também dirá aos estudantes: "Podemos ter os professores mais dedicados, os mais atenciosos pais e as melhores escolas do mundo. E nada disso importará a não ser que vocês todos cumpram com as suas responsabilidades; e a não ser que vocês frequentem estas escolas, prestem atenção a seus professores, escutem seus pais, avós e outros adultos e trabalhem duro para conseguir ter sucesso."

Nenhum aluno será obrigado a ouvir o discurso do presidente. Atividades já estão programadas para aqueles que optarem por não ver Obama.

PROBLEMAS À VISTA

Saúde - Obama enfrenta oposição no Congresso que emperrou a reforma do sistema de saúde

Clima - Impasse no Senado pode fazer Obama ir à reunião de Copenhague de mãos vazias

Equipe - Parte da equipe de Obama ainda não foi confirmada e oposição ameaça vetar nomes

Economia - Casa Branca e FED devem definir se combatem o déficit ou mantêm medidas anticrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.