Obama exige ''medidas'' contra terror

Alvo de críticas por ter agido com lentidão na ameaça de 2009, presidente diz ter ordenado agências a 'garantir a segurança dos EUA'

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2010 | 00h00

Em pronunciamento à nação na tarde de ontem, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que não medirá esforços para proteger o país de novos atentados e indicou a Al-Qaeda na Península Arábica, com base no Iêmen, como principal suspeita de estar por trás da tentativa de envio de pacotes-bomba para cidades americanas.

"Ontem à noite e hoje identificaram dois pacotes suspeitos com destino a organizações judaicas de Chicago", afirmou Obama, acrescentando que as encomendas suspeitas foram encontradas em aeroportos de Dubai e da Grã-Bretanha.

"Os dois tinham explosivos", disse, apesar de autoridades britânicas terem afirmado horas antes que o pacote interceptado no país não continha explosivos, depois de exames.

Alvo de críticas por ter sido lento no ano passado ao lidar com a tentativa de atentado no dia de Natal, Obama deixou claro ter dado ordens "para que fossem tomadas as medidas necessárias" para a garantir a segurança dos EUA, incluindo a verificação dos aviões cargueiros da UPS nos aeroportos da Filadélfia e de Newark.

"A origem destes pacotes é o Iêmen. A Al-Qaeda na Península Arábica continua planejando ataques contra os Estados Unidos", disse. Obama afirmou que conversou com presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh. Segundo o chefe da Casa Branca, o líder iemenita prometeu colaborar com os americanos nas investigações.

Ajuda. As Forças Armadas dos EUA trabalham conjuntamente com o Exército do Iêmen há mais de um ano. Os esforços foram intensificados depois que um nigeriano treinado pela Al-Qaeda no Iêmen tentou explodir um avião que pousava na cidade de Detroit no dia de Natal.

Os Estados Unidos, além de armarem, estão treinando os soldados iemenitas. Há informações de que os americanos estariam realizando operações secretas contra membros da Al-Qaeda no Iêmen.

Obama disse estar preparado para destruir a Al-Qaeda na Península Arábica e, para isso, precisa contribuir para a prosperidade do Iêmen. "Os americanos podem ficar confiantes de que lutaremos contra a Al-Qaeda", declarou o presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.