Obama fala sobre fé durante cerimônia dos 10 anos do 11/9

Michelle Obama, George W. Bush e Laura Bush também participaram da abertura das homenagens

AE, Agência Estado

11 Setembro 2011 | 12h19

ESPECIAL: Dez Anos do 11 de Setembro    

 

NOVA YORK - O presidente dos EUA, Barack Obama, abriu neste domingo, 11, as cerimônias do 10º aniversário dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, com uma visita ao Marco Zero e tocando os painéis de bronze com os nomes das vítimas do colapso dos prédios do World Trade Center.

 

Veja também:
documento ESPECIAL: 
Dez anos do 11 de Setembro
som ESTADÃO ESPN: Série especial
especial ESPECIAL: Do 11/09 à morte de Bin Laden: onde você estava?

 

Obama, de mãos dadas com sua mulher Michelle e suas filhas, caminhou primeiro com o ex-presidente George W. Bush e a esposa dele Laura, para o North Memorial Pool, criado na área onde estavam localizadas as antigas torres. Em seguida, todos os quatro abaixaram suas cabeças silenciosamente. Depois disso, o grupo dispensou cumprimentos e abraços aos familiares daqueles que morreram nos ataques terroristas.

Este não foi um dia de discursos presidenciais: ao contrário, o papel de Obama era simplesmente o de estar lá, em Nova York, e, em seguida, na Pensilvânia e no Pentágono, à medida que os Estados Unidos pararam no 10º aniversário dos ataques para lembrar as quase 3 mil vidas perdidas e ponderar sobre todas as consequências dos atentados.

Durante a cerimônia no Marco Zero, as palavras de Obama foram somente uma leitura do Salmo 46, que fala do refúgio e da força de Deus. "Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus", leu o presidente.

Esse também é um dia no qual não há lugar para partidarismo. Bush deu a Obama um aceno rápido de solidariedade após a leitura do salmo.

Os presidentes e suas mulheres ficaram atrás de um vidro à prova de balas durante a cerimônia, uma indicação do forte esquema de segurança em torno dos eventos.

Futuro

Obama, que era senador estadual por Illinois, quando os prédios foram atingidos em 2001, pediu aos americanos para lembrarem e trabalharem juntos neste fim de semana para um futuro comum. "Dez anos mais tarde, eu diria que a América passou por essas coisas de uma forma consistente com nosso caráter", afirmou o presidente dos EUA à NBC News em uma entrevista gravada.

"Nós cometemos erros. Algumas coisas não aconteceram tão rapidamente quanto precisavam. Mas, no geral, nós assumimos a luta contra a Al-Qaeda, nós preservamos os nossos valores e o nosso caráter", afirmou Obama.

Uma única outra declaração pública de Obama foi planejada para este domingo num concerto memorial em Washington, à noite, após o presidente passar o dia visitando os três locais onde os terroristas derrubaram aviões há uma década.

De Nova York, o presidente irá para Shanksville, na Pensilvânia, onde passageiros de um avião lutaram contra os terroristas e derrubaram a aeronave. Acredita-se que os sequestradores planejavam atingir a Casa Branca ou o Capitólio.

Está programado que Obama retornará mais tarde para Washington para colocar uma coroa no Pentágono e assistir ao "Concerto para Esperança", no Kennedy Center, uma cerimônia de música e leituras com a finalidade de oferecer uma sensação de renovação. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
11 de setembro Obama aniversário

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.