Obama faz sua primeira visita ao Afeganistão

Candidato democrata apóia reforço das tropas americanas no país asiático

O Estadao de S.Paulo

19 de julho de 2008 | 00h00

O candidato democrata à presidência dos EUA, Barack Obama, desembarcou ontem de surpresa no Afeganistão, após uma breve parada no Kuwait, no início de sua viagem pelo Oriente Médio, Ásia e Europa.   Acompanhe as notícias sobre a disputa pela Casa Branca e a viagem de Barack Obama pelo Oriente Médio, Ásia e Europa O primeiro compromisso do senador por Illinois no Afeganistão foi uma visita às tropas americanas instaladas no leste do país asiático. Um porta-voz militar dos EUA, sargento David Hopkins, disse que Obama e outros dois senadores fizeram uma parada na base aérea de Jalalabad, na Província de Nangarhar, onde se encontrou com soldados americanos e autoridades locais. O candidato, que viaja como membro de uma delegação oficial do Congresso americano, também se reuniu com líderes militares e tropas de seu país na base aérea de Bagram, a principal dos EUA no Afeganistão, antes de retornar a Cabul. Na capital, Obama tinha agendado um encontro com o presidente afegão, Hamid Karzai.Esta é a primeira visita de Obama ao cenário de uma guerra que, segundo ele, merece mais atenção e tropas. O Afeganistão está enfrentando o ressurgimento da insurgência do Taleban, quase sete anos após a invasão liderada pelos EUA para tirar o grupo fundamentalista islâmico do poder. Nas últimas semanas, a violência ligada à insurgência aumentou, com a ocorrência de alguns dos ataques mais mortíferos contra as tropas estrangeiras no país (mais informações na página 20).CRÍTICA REPUBLICANA A visita ao Afeganistão ocorre menos de quatro meses antes da eleição presidencial nos EUA, em 4 de novembro, e tem muitas implicações políticas. O adversário republicano de Obama, John McCain, tem criticado o democrata por sua "falta de experiência" na região. Ele visitou o Iraque e o Afeganistão quatro vezes. Ontem, McCain também criticou Obama por ter anunciado sua estratégia para Iraque e Afeganistão antes de ter viajado a esses países para conhecer de perto a situação.Como parte de sua viagem ao exterior, Obama também visitará o Iraque. O candidato democrata defende o fim do papel de combate dos EUA no Iraque em 16 meses, com a retirada gradual das tropas americanas. No entanto, ele defende o envio de mais 7 mil soldados americanos ao Afeganistão, onde se acredita que o líder terrorista Osama bin Laden esteja escondido. Os EUA têm 36 mil soldados no Afeganistão. No Iraque, o contingente americano é quatro vezes maior. Em entrevista publicada ontem na revista alemã Der Spiegel, o primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, disse que a sugestão de Obama de uma retirada americana em 16 meses é "o cronograma adequado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.