'Obama foi encorajador', diz dalai-lama após encontro

O dalai-lama afirmou, após reunião com o presidente dos Estados Unidos, que estava "muito feliz" e que Barack Obama foi "encorajador". Segundo o líder espiritual do Tibete, ele conversou com Obama sobre a promoção dos valores humanos, harmonia religiosa e sobre suas preocupações com o povo tibetano.

AE-AP, Agencia Estado

18 de fevereiro de 2010 | 17h37

Em nota publicada esta tarde, o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, afirmou que "o presidente demonstrou seu forte apoio à preservação da especial identidade linguística, cultural e religiosa do Tibete e à proteção dos direitos humanos para os tibetanos na República Popular da China".

Segundo o porta-voz, Obama ressaltou que sempre incentivou os dois lados a adotarem um diálogo direto a fim de resolver suas diferenças e que ficou satisfeito ao ouvir sobre a recente retomada das conversações. "O presidente e o dalai-lama concordaram com a importância do relacionamento positivo e cooperativo entre os EUA e a China", afirmou Gibbs.

A simbólica reunião de Obama com o dalai-lama foi realizada discretamente, em consideração à irritação da China, que considera o monge budista um separatista. Obama não quer irritar a China num momento em que precisa da cooperação de Pequim em questões nucleares, sobre mudanças climáticas e outras prioridades.

Com informações da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.