Obama: gripe suína causa preocupação, não alarme

O governo dos Estados Unidos está monitorando de perto o surto de gripe suína e tomando medidas para responder rápida e efetivamente à doença, disse o presidente Barack Obama hoje. "Essa é obviamente causa de preocupação e exige um estado de alerta maior. Mas não é causa de alarme", disse Obama, em discurso na Academia Nacional de Ciências do país.

AE, Agencia Estado

27 de abril de 2009 | 11h13

Ontem, os EUA declararam emergência de saúde pública, permitindo que o governo envie milhões de doses de antivirais para Estados onde possam ser necessários para combater os casos emergenciais da doença. Até o momento, 20 casos foram confirmados em cinco Estados norte-americanos.

Obama, que disse que está recebendo informações atualizadas do Departamento de Saúde e Serviços Humanos e do Centro de Controle de Doenças, usou o surto como exemplo de motivo pelo qual o governo precisa elevar o investimento em ciência e tecnologia. Ele disse que vai dedicar mais de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) para pesquisa e desenvolvimento, um nível que afirmou ser o maior compromisso com o setor já feito na história do país.

Obama também contestou a ideia de que os EUA devem conter gastos em ciência enquanto tentam combater a recessão. "A ciência é hoje mais essencial do que nunca para nossa prosperidade, segurança, saúde, ambiente e para nossa qualidade de vida", afirmou. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
gripe suínaEUAObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.