Obama indica novo assessor para América Latina

Em tentativa de se reaproximar da região, Casa Branca nomeia para o cargo Ricardo Zuñiga, conselheiro político da Embaixada dos EUA em Brasília

DENISE CHRISPIM MARIN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2012 | 03h07

O presidente dos EUA, Barack Obama, apontou o atual conselheiro político da Embaixada Americana em Brasília, Ricardo Zúñiga, como seu principal assessor para América Latina e Caribe. A escolha foi interpretada em Washington como uma guinada da diplomacia presidencial para a região. Descendente de hondurenhos, Zúñiga assumirá a atual função de Daniel Restrepo, de origem colombiana.

A Casa Branca confirmou ontem ao Estado a decisão de Restrepo de trabalhar na iniciativa privada em junho. Anteriormente, havia rumores de que o conselheiro de Obama para a América Latina também integrasse o comando de sua campanha para a reeleição, em Chicago.

Restrepo foi o primeiro membro do Conselho de Segurança Nacional para a América Latina a ter o espanhol como língua materna. Ao assumir, em abril de 2009, tentou desmontar as políticas mais duras do governo do republicano George W. Bush em relação a Cuba e diminuir os conflitos com Havana. O governo americano, durante esse período, eliminou as restrições para que cubano-americanos visitassem a ilha.

Chávez. Também é atribuída a Restrepo a ausência de contra-ataques da Casa Branca às declarações do presidente da Venezuela, Hugo Chávez. A posição de Obama em relação a Chávez contribuiu para evitar maiores prejuízos à relação bilateral, atualmente restrita ao comércio de petróleo, vantajoso para ambos os lados.

Restrepo, porém, não conseguira garantir à América Latina, especialmente ao Brasil, um lugar entre as prioridades da diplomacia americana.

Apesar das visitas do presidente Obama a Brasília e ao Rio de Janeiro, em março de 2011, e da presidente Dilma Rousseff a Washington, em março, as relações dos EUA com o Brasil não melhoraram como era esperado. A chamada "Nova Parceria com a América Latina", iniciativa lançada em março de 2011 por Obama em sua viagem a Santiago, teve uma fria recepção.

A última tentativa da Casa Branca de se aproximar da região, na Cúpula das Américas em Cartagena, acabou ofuscada pela pressão do Brasil, da Venezuela e de seus aliados bolivarianos pela presença de Cuba no evento. Pesou ainda o escândalo causado pelo envolvimento de agentes do serviço secreto da Casa Branca com prostitutas colombianas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.