Obama inicia 'nova era' nas relações com América Latina

A estreia da ?Doutrina Obama? na América Latina foi festejada como ?uma nova era? no relacionamento entre os EUA e o resto do hemisfério. O presidente americano, Barack Obama, deixou a Cúpula das Américas em Trinidad e Tobago elogiado por quase todos os líderes da esquerda, que viam com muitas reservas seu predecessor, George W. Bush. O novo líder americano comemorou o resultado de sua estratégia de se aproximar de países adversários.

AE, Agencia Estado

20 de abril de 2009 | 07h57

?Nos últimos dias, vimos sinais positivos na natureza das relações entre os EUA, Cuba e Venezuela?, disse. Segundo ele, a neutralização das tensões na região fortalece os EUA. ?Fica muito mais fácil para países amigos colaborarem conosco porque seus vizinhos e populações nos veem como uma força do bem ou, pelo menos, não como uma força do mal.? Nos EUA, porém, a aproximação de Obama e Chávez causou ruídos. Ontem o senador republicano John Ensign descreveu como ?irresponsável? o presidente ser visto sorrindo ao lado de ?um dos líderes mais antiamericanos do mundo?.

Em resposta, Obama reconheceu discordar de Chávez sobre política econômica e externa e sobre a inflamada retórica antiamericana do venezuelano, mas defendeu a nova ?relação mais construtiva? com Caracas. ?Venezuela é um país cujo orçamento de Defesa é provavelmente ínfimo se comparado ao dos EUA... é improvável que apertar a mão ou ter uma conversa educada com Chávez seja uma ameaça aos interesses estratégicos dos EUA?, disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
CúpulaTrinidad e TobagoObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.