Obama lamenta erros estratégicos de governo

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, admitiu hoje ter cometido erros táticos, mas defendeu seus comprometimentos, em entrevista antes das cruciais eleições parlamentares que serão realizadas em algumas semanas no país. Obama confessou ao jornal The New York Times que, durante seus 20 primeiros meses de mandato, provavelmente não se concentrou suficientemente em relações públicas, o que, goste ou não, considera ser uma parte importante do trabalho. "Com tanta coisa vindo até nós, provavelmente gastamos mais tempo tentando fazer as políticas direito do que tentando fazer política direito", disse, segundo a reportagem.

AE, Agência Estado

17 de outubro de 2010 | 20h33

Diante da previsão de que os republicanos consigam grandes conquistas nas eleições para o Congresso e para os governos em 2 de novembro, Obama e aliados importantes parecem discutir como reiniciar sua presidência estagnada. Em uma administração reinventada, que aliados têm chamado de "Obama 2.0", ele garante que jogará mais as regras do jogo de Washington para que suas responsabilidades não sejam afogadas pela oposição.

"Acho que todos os que ocuparam este escritório têm de lembrar que o sucesso é determinado por uma intersecção entre as políticas e a política, e que você não pode menosprezar o marketing, as relações públicas e a opinião pública", confessou Obama. Ele afirmou ao jornal que aprendeu "lições táticas" depois de ter se permitido parecer "o mesmo antigo liberal democrata (da linha) ''taxar-e-gastar''", apesar de ter se apresentando como um novo e limpo agente da mudança política.

De qualquer forma, Obama, que assumiu os Estados Unidos em janeiro de 2009, em meio a duas guerras e uma enorme crise financeira, declarou que sua administração tem sido louvável. "Mantenho uma lista (de medidas) que me comprometi a fazer e provavelmente alcançamos 70% das coisas sobre as quais falamos durante a campanha", garantiu.

Ele lamentou que tenha acabado permitindo aos republicanos paralisar a agenda e controlar sua mensagem. Mas o presidente americano acrescentou que "vai ser muito difícil que as pessoas olhem para trás e digam ''sabe, o Obama não fez o que prometeu''. Acho que elas poderão dizer, ''em uma série de frentes ele ainda está incompleto''". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAgovernoObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.