Obama lembra 95 anos do massacre de armênios pela Turquia

Presidente evitou usar o termo 'genocídio' e chamou o episódio de 'uma das piores atrocidades' do século XX

AE-AP, Agência Estado

24 de abril de 2010 | 16h33

Manifestantes na capital da Armênia pedem que EUA, Turquia e Reino Unido reconheçam genocídio      

 

ASHEVILLE, CAROLINA DO NORTE- Na época que era candidato à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama repetidamente prometeu que chamaria de "genocídio" o massacre de armênios pela Turquia. Já o presidente Obama tem se recusado a tomar essa atitude. O líder americano não chamou neste sábado, 24, as mortes de 1,5 milhão de armênios durante a Primeira Guerra como genocídio. Preferiu qualificar o massacre como "uma das piores atrocidades" do século XX e um "capítulo devastador" da história.

Em comunicado, enquanto ele e a primeira-dama Michelle Obama passam o fim de semana na Carolina do Norte, o presidente lembrou os 95 anos do início do massacre dos armênios pelos turcos otomanos com palavras fortes. Propositalmente, porém, evitou o termo genocídio.

É um "capítulo devastador na história do povo armênio, e devemos manter sua memória viva, em honra àqueles que foram assassinados e para que não repitamos os graves erros do passado", afirmou Obama em comunicado.

Em seu segundo ano no poder, Obama não usou em público a palavra pela qual muitos historiadores definem o primeiro massacre generalizado do século 20. "Nesse dia solene de recordação, nós paramos para lembrar que 95 anos atrás começou uma das piores atrocidades do século 20."

Aproximação

Obama acompanha com atenção a aproximação entre a Turquia e a Armênia. Os dois países firmaram acordos de reconciliação em outubro, mas esses textos precisam ainda ser aprovados por cada Parlamento. Os acordos preveem o estabelecimento de relações diplomáticas e a reabertura das fronteiras.

A Turquia fechou a fronteira em 1993, para protestar pela guerra armênia contra o vizinho Azerbaijão. O Parlamento turco tem atrasado a ratificação do texto, enquanto a Turquia pressiona por um acordo entre Armênia e Azerbaijão sobre a região de Nagorno-Karabakh, que fica em território do Azerbaijão mas é controlada pelos armênios desde o fim dessa guerra, em 1994.

"Eu saúdo os turcos que salvaram armênios em 1915 e estou encorajado pelo diálogo entre turcos e armênios e dentro da própria Turquia sobre essa dolorosa história", afirmou Obama no comunicado. "Juntos, os povos turco e armênio serão mais fortes, enquanto reconhecem sua história comum e sua humanidade comum."

Monumento

Na capital armênia, Erivan, centenas de milhares de pessoas depositaram hoje flores em um monumento às vítimas do massacre cometido pelos turcos otomanos. Historiadores estimam que até 1,5 milhão de armênios tenham sido assassinados pelos turcos otomanos na época da Primeira Guerra (1914-18). Já a Turquia nega que tenha havido um genocídio, afirmando que o número de mortos foi inflado e as mortes foram fruto de uma guerra civil e da situação de instabilidade.

Tudo o que sabemos sobre:
ArmêniagenocídioObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.