Obama lidera McCain entre trabalhadores de baixa renda-pesquisa

O democrata Barack Obama lidera seurival republicano John McCain em uma relação de dois para umentre os trabalhadores de baixa renda, mas muitos deles nãoestão comprometidos com nenhum dos candidatos, de acordo comuma pesquisa do jornal Washington Post, da fundação KaiserFamily e da Universidade Harvard. A vantagem de Obama se deve principalmente ao apoio massivodos afro-americanos e dos hispânicos, mas mesmo entre oseleitores brancos, o senador por Illinois lidera com 47 porcento das intenções de voto, contra 37 de McCain, informou oWashinton Post na sua edição desta segunda-feira. A pesquisa mostrou que um entre seis trabalhadores brancosconsultados pela pesquisa continua indeciso entre oscandidatos, segundo o Post. A maioria das respostas era pessimista quanto ao impactodas eleições de 4 de novemrbo. A maior parte das pessoaspesquisadas --tanto entre os brancos quanto entre não-brancos--disse que sua situação financeira não deverá mudar com avitória de um ou de outro candidato. A pesquisa entrevistou 1.350 trabalhadores de 18 a 64 anosescolhidos aleatoriamente. Eles trabalham pelo menos 30 horaspor semana, mas ganharam 27 mil dólares ou menos no anopassado, segundo o jornal. O grupo, que corresponde a cerca de um quarto dos adultosnos Estados Unidos, simpatiza com Obama pois acha que ele seaproxima mais dos seus valores, segundo a pesquisa. A sondagem também sugere que o maior desafio de McCain éconquistar os trabalhadores não-brancos. Noventa e dois por cento dos afro-americanos acham queObama é o candidato mais preocupado com seus problemas; nenhumnegro consultado pela pesquisa disse o mesmo sobre McCain,segundo o Post. Os hispânicos também privilegiaram Obama nesta questão,dando a ele uma vantagem de mais de 40 pontos percentuais comoo candidato com mais empatia, segundo a reportagem. A pesquisa foi realizada em todo o territórionorte-americano entre os dias 18 de junho e 7 de julho. Osresultados têm margem de erro de quatro pontos percentuais paramais ou para menos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.