Obama: 'Não é hora de desafiar a sorte'

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu nesta terça-feira à população norte-americana que dê ouvidos às autoridades locais em relação aos preparativos para a passagem da tempestade Isaac e disse que "este não é o momento de desafiar a sorte".

AE, Agência Estado

28 de agosto de 2012 | 11h58

Obama fez os comentários durante uma breve aparição na Casa Branca na manhã de hoje ante a expectativa de que a tempestade Isaac atinja em cheio a costa do Golfo do México nas próximas horas, provavelmente com força de furacão.

"Nós estamos diante de uma grande tempestade. Existe a possibilidade de inundações significativas e de outros danos a uma ampla área", disse Obama.

"Este não é o momento de desafiar a sorte. Também não é o momento de ignorar os alertas oficiais. Vocês precisam levar isso a sério", pediu o presidente norte-americano em uma declaração de dois minutos.

Obama assegurou ainda que o governo federal continuará fornecendo novas informações sobre a tempestade durante os próximos dias e salientou que, "sob minha direção", a agência federal de defesa civil já possui equipes destacadas há mais de uma semana realizando preparativos para a chegada do furacão.

Isaac ainda é uma tempestade tropical, mas meteorologistas preveem que o sistema deve ganhar força nas próximas horas e talvez atinja o litoral com força de furacão em algum momento entre a noite desta terça-feira e as primeiras horas de amanhã.

A tempestade avança sobre a costa do Golfo do México quase exatamente no sétimo aniversário da devastadora passagem do furacão Katrina, em 29 de agosto de 2005. Quase 2.000 pessoas morreram na catástrofe.

Com a declaração pública, Obama provavelmente tenta evitar as críticas feitas a seu antecessor, George W. Bush, acusado por muitos de não ter viabilizado os preparativos necessário para a aproximação do Katrina.

A passagem do furacão coincide com a realização da Convenção Nacional do Partido Republicano, na qual Mitt Romney deve ser ratificado para desafiar Obama nas urnas em novembro.

Depois da declaração feita na Casa Branca, Obama seguiria para Iowa, em campanha pela reeleição. Ontem, ele assinou uma declaração de estado de emergência para a Louisiana, que permite a liberação imediata de recursos federais no caso de o Estado precisar de ajuda. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAtempestadeObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.