Obama nomeia gabinete em tempo recorde

Guerras e crise econômica fizeram presidente eleito indicar metade da cúpula de seu governo em 30 dias

Peter Baker e Helene Cooper, O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2008 | 00h00

O presidente eleito dos EUA, Barack Obama, está agindo mais rápido para preencher os principais postos da sua administração do que qualquer presidente recém-eleito. Menos de um mês depois da eleição, Obama já preecheu 13 das 24 posições mais importantes da sua equipe.Em comparação, Bill Clinton, um mês depois da eleição, tinha escolhido apenas um dos assessores de alto escalão. Jimmy Carter e Ronald Reagan, apenas dois. George Bush pai, que teve a vantagem de suceder a um companheiro republicano, tinha escolhido apenas oito nomes no primeiro mês após sua eleição. Em 2000, o atual presidente, George W. Bush, embora envolvido na recontagem de votos na Flórida, havia nomeado apenas um chefe de gabinete a esta altura.DECIDIDO Os assessores de Obama sabem que a pressa pode levar a erros. Contudo, relatos do processo, feitos por quem participou da seleção, sugerem que o presidente eleito está tentando ser, ao mesmo tempo, decidido, metódico e sigiloso quanto às nomeações, mostrando a maneira como pretende governar. "Não temos tempo a perder", disse Rahm Emanuel, futuro chefe de gabinete da Casa Branca, nomeado para o cargo dois dias após a eleição. "Trata-se da pior situação econômica desde a Grande Depressão e o maior número de soldados atuando no exterior desde a época de Richard Nixon. Esse é o mundo que estamos herdando. Por isso, o presidente eleito disse que precisamos trabalhar muito e não podemos perder tempo."TRANSIÇÃOAssessores disseram que Obama estava determinado a evitar o que ocorreu em 2001, quando muitas das principais funções ligadas à segurança nacional passaram meses desocupadas após a posse de Bush. Esses postos ainda não haviam sido preenchidos quando ocorreram os ataques de 11 de Setembro.De acordo com membros da equipe de transição, Obama deu início ao processo em agosto ao recrutar John Podesta, chefe de gabinete do governo Bill Clinton, para comandar a transição. No dia 22 de outubro, 13 dias antes da eleição, o general James Jones reuniu-se com Obama em uma suíte de hotel e foi convidado para ser conselheiro de segurança nacional - indicação que foi oficializada apenas esta semana.HILLARYA senadora Hillary Clinton não sabia ao certo sobre o que Obama queria conversar quando foi convidada para um encontro secreto em Chicago, no mês passado. Hillary havia apenas escutado rumores sobre possíveis cargos que lhe seriam oferecidos, como o de secretária de Saúde ou embaixadora na ONU. No entanto, se surpreendeu com a proposta para ser secretária de Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.