Obama oferece ajuda ao Japão após terremoto

União Europeia, Rússia e China estão entre os que disponibilizaram equipes de emergência

Reuters

11 de março de 2011 | 09h57

Tragédia. Equipes de resgate locais tentam salvar as vítimas do terremoto e do tsunami

 

WASHINGTON - O presidente americano, Barack Obama, veio a público nesta sexta-feira, 11, que o terremoto de magnitude 8,9 que atingiu o Japão é potencialmente catastrófico e que está rezando pelas vítimas. De acordo com Obama, os EUA estão preparados para ajudar o Japão da maneira que o país precisar. Um porta-aviões americano já está no Japão e outro, a caminho.

 

Veja também:

blog Tempo real: Acompanhe a tragédia no Twitter e no Radar Global

especial Infográfico: Entenda o terremoto no Japão

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

 

"Continuaremos a acompanhar de perto os tsunamis próximos ao Japão e no Pacífico e pedimos a todos os cidadãos nas áreas afetadas para que ouçam as autoridades, como instruí a Fema (Agência Federal de Administração de Emergências) para estar pronta para dar assistência ao Havaí e ao resto dos estados e territórios americanos que possam ser atingidos", afirmou o presidente, que também esta monitorando o impacto do tsunami na costa oeste dos EUA.

 

Em comunicado oficial, os chefes de estado e  de governo da União Europeia prometeram mobilizar "toda a ajuda adequada" para auxiliar o Japão durante esse momento. "Soubemos com grande preocupação que um terremoto devastador e um tsunami golpearam hoje o Japão e a região do Pacífico. Solicitamos que a chefe das Relações Exteriores da UE, Catherine Ashton, e a Comissão Europeia, mobilizem toda a ajuda adequada".

 

A China afirmou que suas equipes de resgate especializadas em terremotos estão "totalmente preparadas" para se locomoverem ao Japão e auxiliar em tudo o que for preciso, disse a mídia local, citando palavras do sismólogo Chen Jianmin.

 

O Presidente russo, Dmitry Medvedev, também disse que a Rússia está pronta para auxiliar o Japão nesse momento de emergência. "Nós estamos, é claro, prontos para ajudar nossos vizinhos a lidar com as consequências desse terremoto tão grande", afirmou.

 

As Nações Unidas disseram que 30 grupos de ajuda internacional estão em alerta para ir ao país oriental providenciar auxílio às vítimas.

 

Veja a repercussão pelo mundo:

Inglaterra

O secretário de Exteriores britânico, William Hague, afirmou que a Inglaterra está em contato com o governo japonês e pediu ao embaixador de seu país em Tóquio que ofereça toda a assistência necessária.

Coreia do Sul

A Coreia do Sul também disse estar, inicialmente, enviando 40 equipes de resgate, que estão no aguardo da autorização do governo para irem ao Japão, disse o Ministro das Relações Exteriores do país.

 

Tailândia

A Tailândia ofereceu cinco milhões baht (165 mil dólares) de ajuda para o Japão e diz considerar uma oferta maior quando for possível saber a extensão do estrago, disse o Ministro das Relações Exteriores, Thni Thongpakdi.

 

Leia ainda:

linkTerremoto é o sétimo mais intenso da história

linkComunidade internacional oferece ao ajuda

link'A situação aqui é triste', diz jogador brasileiro

linkGoverno não tem registro de brasileiros feridos

linkAlerta de tsunami se estende até a América do Sul

 

Notícia atualizada às 15h46.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.