Pete Souza/Casa Branca via NYT
Pete Souza/Casa Branca via NYT

Obama oferece 'toda ajuda que for necessária' ao prefeito de Boston

Presidente dos EUA também entrou em contato com o governador de Massachusetts e expressou preocupação com os feridos

estadão.com.br,

15 de abril de 2013 | 17h51

(Texto atualizado às 19h25) WASHINGTON - Momentos após os ataques em Boston, o presidente dos EUA, Barack Obama, telefonou ao prefeito da cidade, Tom Menino, e ao governador de Massachusetts, Deval Patrick, oferecendo ajuda para garantir a segurança e iniciar, de imediato, as investigações sobre os responsáveis pelas explosões. Em estado de alerta elevado, o Serviço Secreto ampliou os agentes de segurança na Casa Branca e fechou as principais ruas de acesso à sede da presidência.

Segundo disse um assessor do presidente à Reuters, Obama foi avisado sobre os ataques às 15 horas (16 horas em Brasília), portanto minutos após as explosões em Boston. Lisa Monaco, conselheira de Segurança Nacional da Casa Branca, fez o primeiro briefing ao presidente, acompanhada de outros integrantes da cúpula do governo.

Na primeira nota divulgada, o governo Obama referiu-se aos ataques apenas como "o incidente em Boston". Em seguida, porém, começou a ficar claro que se tratava de um atentado organizado contra civis americanos.

Mais tarde, o presidente norte-americano fez um pronunciamento ressaltando que forneceria toda a ajuda necessária às pessoas em Boston e disse não saber o motivo do atentado. "Ainda não sabemos quem fez isso ou o porque e não vamos tirar conclusões antes de conhecer todos os fatos. Mas vamos descobrir quem fez isso e responsabilizá-los". Em nenhum momento, Obama utilizou a palavra "terrorismo".

O presidente também disse que conversou com autoridades da segurança do país para que investiguem o caso. "Falei com o FBI e a diretora do departamento de segurança interna para que investiguem o que ocorreu". "A segurança nos Estados Unidos foi aumentada", acrescentou Obama.

Pouco após virem à tona as informações sobre os ataques, o secretário de Justiça, Eric Holder, falou por telefone com o diretor do FBI, Robert Mueller. A polícia federal americana encarregou-se de investigar quem está por trás dos atentados. Mueller e a secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano, também fizeram briefings a Obama nas horas que se seguiram à tragédia.

O pânico que tomou conta das ruas de Boston obrigou o governador de Massachusetts a vir rapidamente a público garantir que as forças policiais estavam em ação. Patrick, líder negro e uma das figuras em ascensão do Partido Democrata, pediu que a população deixasse o local dos ataques imediatamente. O vice-presidente, e o prefeito de Boston também pediram calma aos americanos.

"Este é um dia de horror em Boston. Meus sentimentos e orações estão com aqueles que foram atingidos (no ataque)", afirmou o governador Patrick. "Estive em contato com o presidente, o prefeito Menino e autoridades de segurança pública. Nosso foco agora é ter certeza de que a área está sob controle e segura. Estou pedindo a todos que fiquem longe de Praça Copley e deixem as equipes de socorro fazerem seu trabalho."

Biden trabalhava na Casa Branca quando foi surpreendido pelas notícias do ataque. "Estou falando aqui do meu escritório, eles acabaram de ligar a TV. Aparentemente houve um ataque a bomba. Não tenho nenhum detalhe sobre o quê ou quem causou (a explosão). Não acho que isso tenha sido divulgado", afirmou o vice-presidente. "Minhas orações vão para as vítimas."

Assista ao pronunciamento de Obama:

 

Com informações da Reuters

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.