Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Obama pede a formação de estrutura duradoura para combater mudanças climáticas

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu aos líderes globais que desenvolvam uma estrutura duradoura, em vez de uma solução pontual, para a luta contra a mudança climática, ao dizer que está chegando a hora em que será tarde demais para agir.

Estadão Conteúdo

30 de novembro de 2015 | 13h24

No momento em que chefes de Estado se reuniam para o início das duas semanas de negociações para fechar um acordo climático internacional, Obama disse que os EUA fariam sua parte para desacelerar o aquecimento global.

O presidente disse que antigos argumentos segundo os quais o crescimento global e a preocupação com o ambiente estão em conflito mostraram-se incorretos. Mas admitiu que a recompensa por adotar medidas agora para desacelerar o crescimento global não será imediata. "Aceitar este desafio não nos recompensará com momentos de vitória que são claros ou rápidos", disse Obama.

Obama se reuniu com o presidente da China, Xi Jinping, na manhã desta segunda-feira, em um esforço para impulsionar as conversas de Paris e mostrar o compromisso comum dos dois países para lidar com o aquecimento global. "Como as duas maiores economias no mundo e os dois maiores emissores de carbono, nós determinamos que é nossa responsabilidade tomar ação", disse Obama.

Obama disse que a recente morte de um refém chinês nas mãos de militantes do Estado Islâmico "indica o grau desta ameaça para todos nossos países". Ele também saudou a França por manter as negociações climáticas como planejado, mesmo após o brutal massacre do dia 13. Segundo ele, realizar o encontro é "um ato de desafio que prova que nada pode nos deter de construir o futuro que queremos para nossas crianças". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
COP 21ParisObamadiscurso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.