Obama pede esforço global para conter expansão nuclear

Durante seu discurso na Assembleia Geral da ONU, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu um esforço global para encerrar a proliferação nuclear, o combate às mudanças climáticas e a volta de um crescimento econômico balanceado. Segundo Obama, sua presidência despertou "a esperança de que uma mudança real é possível, e a esperança de que a América será uma liderança para trazer tal mudança".

AE, Agencia Estado

23 de setembro de 2009 | 14h55

O presidente norte-americano advertiu que a ameaça nuclear está crescendo. Ele ressaltou que os EUA estão comprometidos com uma redução das armas nucleares, por meio de um novo acordo com a Rússia. Além disso, disse que o país pretende firmar um acordo para banir testes nucleares e concluir uma revisão de seu arsenal nuclear, a fim de realizar novos cortes.

Os EUA estão comprometidos com a diplomacia diante de Coreia do Norte e Irã, disse o presidente. Porém ele também advertiu que as ações desses países podem levar o mundo a um "caminho perigoso". Pyongyang e Teerã se recusam a interromper seu programa nuclear e já foram alvos de sanções no Conselho de Segurança da ONU por isso. Segundo Obama, é preciso que as duas nações deixem claro se possuem armas nucleares.

Obama também apontou outros pilares para a cooperação internacional, além da não-proliferação de armas nucleares: a paz, a preservação do planeta e as oportunidades econômicas para todos. Segundo ele, há por todo o globo "sinais promissores" para o futuro, apesar de haver "pouca certeza sobre o que vem pela frente".

O presidente dos EUA disse que nunca precisará pedir desculpas por defender os interesses norte-americanos. Mas ressaltou que é chegada a hora de "uma nova era de engajamento, baseada em interesses mútuos e respeito mútuo". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.